sábado, dezembro 4, 2021
Outros

    Advogados promissores, mas esquecidos

    Em Destaque

    André Porto Alegre
    Consultor Jurídico de Empresas

    “A pandemia e a tragédia de George Floyd aceleraram algumas das mudanças que estavam ocorrendo de qualquer maneira no modelo de negócios dos escritórios de advocacia, e agora há uma maior disposição por parte das sociedades de advogados de tentar coisas diferentes do que antes”, disse Jonathan Greenblatt,  conhecido advogado de arbitragem internacional do Shearman & Sterlingo, um escritório de advocacia dos Estados Unidos, fundado em 1873 em Nova Iorque, que ocupa a posição de 63° maior do mundo em receita bruta estimada em 863 milhões de dólares e um contingente de 863 advogados.

    Greenblatt e o veterano CEO de tecnologia e serviços Bryan Parker, lançaram uma startup que visava derrubar o modelo tradicional de contratação de escritórios de advocacia poucos meses antes que a pandemia COVID-19 desestabilizasse praticamente tudo sobre como as bancas operam, a Legal Innovators.

    Depois de dois anos, a empresa encontra advogados em início de carreira para escritórios como Orrick Herrington & Sutcliffe e Latham & Watkins, bem como para departamentos jurídicos internos. Para as bancas de advogados não é apenas o mercado restrito de talentos que as leva a experimentar novas abordagens para a aquisição de talentos, mas também a estratégia da Legal Innovators para fornecer talentos diversificados, especialmente na esteira do reconhecimento nacional da desigualdade racial que explodiu no verão de 2020.

    O propósito da iniciativa é contratar, orientar e treinar um grupo de jovens advogados selecionados de um número crescente de faculdades de direito e oferecê-los aos escritórios e departamentos jurídicos corporativos por contrato. Para as contratantes, a proposta é que os Inovadores Jurídicos podem fornecer advogados competentes em início de carreira a um custo mais acessível.

    Com o início da pandemia alguns meses após o lançamento da empresa, a equipe precisou se concentrar em exercícios de treinamento contínuo para os advogados, com palestrantes convidados e atribuições que simulavam o tipo de trabalho que eles estariam realizando. E os advogados foram incentivados a entrar em contato com organizações pro bono, uma estratégia que a advogada Yuan Tian reconheceu como treinamento em desenvolvimento de negócios, além de uma oportunidade de trabalhar em problemas reais.

    Tian, que trabalha em fusões e aquisições no Orrick, chegou a Georgetown Law com o objetivo de trabalhar em Big Law, mas não conseguiu um emprego por meio do canal de entrevistas no campus. Ela teve que esperar até janeiro de 2021 para a colocação.

    Yuan Tian não sente que foi tratada de maneira diferente dos associados de sua equipe que chegaram à empresa pelo canal tradicional. Ela tem a sensação de que lhe ofereceram um trabalho mais consistente do que seus colegas em outros escritórios, e está otimista com a perspectiva de conseguir uma posição de associada permanente.

    Na perspectiva dos escritórios a iniciativa é pertinente porque muitos não estão preparados para olhar além das faculdades de direito de elite ou se arriscar com alunos que podem ter tropeçado em no primeiro ano ou durante uma colocação de associado de verão.

    “Para alguns, o objetivo é reduzir os riscos do modelo de contratação”, disse o fundador Bryan Parker sobre o motivo pelo qual os escritórios dão uma olhada mais de perto nos jovens talentos dos Inovadores Jurídicos.

    Quando Siobhan Handley, diretora-chefe de talentos do Orick, ficou sabendo da empresa pelo diretor de inovação do escritório, ficou intrigada com o foco em encontrar alunos promissores, mas esquecidos. “Existem razões sociais para a falta de pessoas sub-representadas nas 25 principais faculdades de direito e uma porcentagem muito maior de pessoas historicamente sub-representadas fora das 25 melhores. O pessoal da Legal Innovators foi muito atento sobre onde existem faculdades de direito com diversos corpos estudantis”, disse ela.

    Os clientes corporativos também estão na mira do Legal Innovators, tanto quando procuram contratar para os próprios departamentos jurídicos, quanto quando precisam ajudar empresas coligadas a cumprirem as metas de diversidade.

    Fusões e Aquisições

    Últimas Notícias

    Alexandre Saigh: “IPOs só no fim de 2022 ou 2023”

    Numa tacada que consolidou a maior gestora de private equity, infraestrutura e crédito da América latina, o Pátria acaba...

    Migração do Inter à Nasdaq fica para depois

    Pedidos de resgate ficaram acima dos R$ 2 bilhões que o banco digital havia estipulado como limite A migração do...

    Veja outras matérias