quarta-feira, dezembro 2, 2020
Outros

    Ânima compra MedRoom — e sua fantástica viagem pelo corpo humano

    Em Destaque

    Plano nacional de imunização só sai depois da vacina aprovada pela Anvisa

    O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, disse nesta terça-feira, 1, que...

    Bolsonaro justifica alta na conta de luz com nível de represas e risco de apagões

    Ao justificar o aumento na conta de luz, o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou via redes...

    Ricos precisam pagar mais imposto para desigualdade cair, diz estudo

    As propostas da equipe econômica do governo Jair Bolsonaro (sem partido) para criar um novo programa social...

    A Ânima Educação comprou a MedRoom, uma startup cujas soluções de realidade virtual e realidade aumentada equivalem a uma pequena grande revolução na educação médica.

    O software da MedRoom simula o corpo humano em condições sadias e patológicas, permitindo aos estudantes de medicina treinar para consultas e procedimentos cirúrgicos em condições análogas à vida real.

    Fundada há cinco anos, a MedRoom já licenciou seu software para 20 das cerca de 340 faculdades de medicina do País.

    Um dos clientes era a Ânima, que contratou a startup há dois anos para fazer alguns estudos de caso em RV. A relação logo evoluiu.

    “Vimos que eles têm um negócio incrível, totalmente diferenciado,” o chairman da Ânima, Daniel Castanho, disse ao Brazil Journal. “Não tem ninguém fazendo isso aqui no Brasil, e quem está fazendo lá fora não faz com a mesma qualidade.”

    A aquisição faz parte da estratégia da Ânima de aumentar a proposta da valor da Inspirali — a subsidiária que congrega seus cursos de medicina e tem 1.770 vagas depois da compra da Laureate.

    Para efeito de comparação, a Afya, hoje a maior companhia de educação focada em medicina, tem 2.303 vagas autorizadas, mas em mercados menores como Acre e Pará e em cidades periféricas em vez de capitais. Já as vagas da Ânima estão concentradas em grandes centros do Nordeste e Sudeste.

    A MedRoom é uma dessas histórias que desafiam o complexo de vira-lata brasileiro e ainda dão esperança no País.

    A companhia nasceu quando Sandro Nhaia — um autodidata em computação gráfica que já havia trabalhado com cinema, jogos e publicidade — resolveu aplicar o que sabia na área da saúde. Sandro levou a ideia a um evento organizado pelo Núcleo de Empreendedorismo da USP. Lá, conheceu Vinícius Gusmão, estudante de biologia e um dos organizadores do evento.

    Em 2016, os dois começaram a trabalhar juntos, apresentando o conceito a potenciais investidores, clientes e alunos de medicina para validar a ideia.

    No ano seguinte, fizeram um protótipo e conseguiram R$ 500 mil de uma aceleradora gaúcha, a Healthplus, e do hospital Albert Einstein.

    Em maio de 2018, lançaram a primeira versão comercial do produto — basicamente, a simulação de dois pacientes sadios (Max e Lucy), usados para estudos anatômicos.

    Agora, a MedRoom começou a desenvolver os chamados “gêmeos digitais” — avatares humanos que permitem reproduzir situações clínicas com inteligência artificial.

    “Hoje, o aluno só aprende na residência com os casos reais que estão lá — é uma aprendizagem oportunística,” diz José Lúcio Martins Machado, o CEO da Inspirali. “Com a RV, a gente consegue sistematizar tudo aquilo que é importante na clínica. Se o aluno conseguir ver um paciente real, ótimo, mas se não, ele tem a realidade virtual.”

    Outra vantagem da realidade virtual: o aluno aprende empatia, afetividade e comunicação com os pacientes-avatares.

    Para criar os gêmeos digitais, a MedRoom contrata atores profissionais que estudam seus papeis como pacientes e permitem a programação dos avatares.

    Trabalhando em cima de scripts, os atores vestem um capacete cravejado de sensores e praticam cenas humanas como sorrir, chorar, mexer a boca e reclamar de dor. Cada comportamento é reproduzido no avatar.

    Quando o aluno faz uma pergunta, o avatar responde com base em árvores de diálogo construídas por médicos.

    “Se fizéssemos isso tudo num robô, não humanizaríamos a relação, mas a RV permite aproximar aquela cena do humano,” diz José Lúcio.

    A MedRoom já produziu pacientes-avatares afligidos por câncer, dengue, tuberculose e febre amarela, além de ter simulado um caso de urgência: RCP (ressuscitação cardiopulmonar) e está trabalhando em mais de 30 outras situações clínicas.

    O valor da aquisição não foi revelado, e os fundadores devem ficar na operação pelos próximos cinco anos.

    Fonte: Brazil Journal

    Serviços

    Profiting faz Road Show para captar 20 Milhões.

    O recurso será investido em empresas associadas visando crescimento em vendas e aumento de produção. O mercado de aquisições...

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Últimas Notícias

    Governo busca brecha na lei para limitar atuação dos chineses no 5G

    O governo Jair Bolsonaro está procurando alternativas, dentro da lei, para limitar a participação da fabricante chinesa...

    Moeda digital libra muda de nome para ‘diem’ na tentativa de se afastar do Facebook

    A criptomoeda libra foi rebatizada como "diem" nesta terça-feira (1º) pelo grupo de 27 empresas que coordenam...

    Veja outras matérias