sexta-feira, abril 16, 2021
Outros

    Bitcoin: como a enorme energia gasta pode fazer a ‘bolha’ das criptomoedas explodir

    Em Destaque

    Governo estima rombo de R$ 170,5 bi em 2022 e vê 11 anos de contas no vermelho

    No projeto que estabelece as diretrizes para o Orçamento de 2022, enviado ao Congresso nesta quinta-feira (15), o governo...

    Hering rejeita proposta de compra pela Arezzo

    A Hering decidiu, em reunião nesta quarta-feira, 14, negar a proposta feita pela Arezzo de combinar os negócios das...

    Magazine Luiza recebe aval do Cade para compra da Hub Prepaid

    O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da Hub Prepaid pelo Magazine Luiza, sem...

    Todos nós já ouvimos as histórias dos novos milionários por causa do bitcoin. Elon Musk está entre os últimos que aderiram à compra da criptomoeda.

    Sua empresa de carros elétricos Tesla teve um lucro de mais de US$ 900 milhões depois de comprar US$ 1,5 bilhão em bitcoins no início de fevereiro.

    Esse anúncio ajudou a empurrar a cotação da criptomoeda para mais de US$ 58 mil.

    Mas não é apenas o preço do ativo digital que atingiu um pico histórico. Isso também acontece com a sua pegada energética. E levou a um questionamento de Musk, à medida que a escala do impacto ambiental da moeda se tornava mais clara.

    Isso também levou a novos críticos de alto nível questionando a moeda digital nesta semana, incluindo a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen.

    O principal conselheiro econômico do presidente Joe Biden descreveu o bitcoin como “uma forma extremamente ineficiente de fazer transações” e disse que “a quantidade de energia consumida no processamento dessas transações é impressionante”.

    O gasto de energia

    Não está claro exatamente quanta energia o bitcoin usa.

    As criptomoedas são, por padrão, difíceis de se rastrear, mas o consenso é que a mineração de bitcoins é um negócio que consome muita eletricidade.

    O Centro de Finanças Alternativas da Universidade de Cambridge (CCAF), que estuda o crescente negócio de criptografia, estima que o consumo total de energia do bitcoin está entre 40 e 445 terawatts-hora (TWh) por ano, com uma estimativa média de cerca de 130 terawatts-hora.

    O consumo de eletricidade do Reino Unido é de pouco mais de 300 TWh por ano, enquanto a Argentina usa aproximadamente a mesma quantidade de energia que a melhor estimativa do CCAF para bitcoin.

    E a eletricidade que os mineradores de bitcoin usam vem predominantemente de fontes poluentes.

    A equipe do CCAF pesquisou as pessoas que administram a rede bitcoin em todo o mundo sobre o uso de energia e descobriu que cerca de dois terços vem de combustíveis fósseis.

    A tecnologia

    O enorme poder de computação e, portanto, o uso de energia, está embutido na maneira como a tecnologia blockchain que sustenta a criptomoeda foi projetada.

    Ela é baseada em uma vasta rede descentralizada de computadores.

    São os chamados “mineiros” que permitem a criação de novos bitcoins, mas também verificam e registram de forma independente cada transação realizada na moeda.

    Na verdade, bitcoins são a recompensa que os mineiros recebem por manter esse registro com precisão.

    Funciona como uma loteria que sai a cada 10 minutos, explica Gina Pieters, professora de economia da Universidade de Chicago e pesquisadora da equipe do CCAF.

    Os centros de dados em todo o mundo estão competindo para compilar e enviar esse log de transações de uma forma que seja aceitável para o sistema.

    Eles também precisam adivinhar um número aleatório.

    O primeiro a enviar a inscrição e o número correto ganha o prêmio; este se torna o próximo bloco no blockchain.

    No momento, eles são recompensados ​​com seis Bitcoins e um quarto, avaliados em cerca de US$ 50 mil cada.

    Assim que uma loteria termina, um novo número é gerado e todo o processo é reiniciado.

    O jogo

    Quanto mais alto o preço, diz o professor Pieters, mais os mineiros vão querer entrar no jogo.

    “Eles querem obter essa receita e é isso que vai incentivá-los a introduzir máquinas cada vez mais potentes para adivinhar esse número aleatório e, portanto, você verá um aumento no consumo de energia”, diz ele.

    E há outro fator que impulsiona o consumo crescente de energia do bitcoin.

    O software garante que sempre leva 10 minutos para resolver o quebra-cabeça, portanto, se o número de mineiros aumentar, o quebra-cabeça se torna mais difícil e é necessário mais poder de computação.

    Portanto, o bitcoin é projetado para incentivar um maior esforço de computação.

    A ideia é que quanto mais computadores competem para manter o blockchain, mais seguro ele se torna, porque qualquer um que queira tentar minar a moeda deve controlar e operar pelo menos tanto poder de computação quanto o resto dos mineiros juntos.

    O que isso significa é que, conforme o bitcoin se torna mais valioso, o esforço computacional investido em criá-lo e mantê-lo e, portanto, a energia consumida, aumenta inevitavelmente.

    O rastreio

    Podemos rastrear quanto esforço os mineiros estão fazendo para criar a moeda.

    Atualmente estima-se que estão fazendo 160 cálculos de quintilhões por segundo, ou seja, 160.000.000.000.000.000.000, caso alguém esteja se perguntando.

    E esse vasto esforço computacional é o calcanhar de Aquiles da criptomoeda, diz Alex de Vries, fundador do site Digiconomist e especialista em Bitcoin.

    Todos os milhões e milhões de cálculos que são necessários para manter o sistema funcionando não estão realmente fazendo nenhum trabalho útil.

    “São cálculos que não servem para outro propósito, são imediatamente descartados de novo. No momento estamos usando muita energia para fazer esses cálculos, mas também a maior parte vem de energia fóssil”, diz de Vries.

    O grande esforço que isso requer também torna o bitcoin inerentemente difícil de escalar, ele argumenta.

    “Se o bitcoin fosse adotado como moeda de reserva global, o preço provavelmente estaria na casa dos milhões, e esses mineiros terão mais dinheiro do que todo o orçamento federal [dos EUA] para gastar em eletricidade”, acrescenta.

    “Teríamos que dobrar nossa produção global de energia apenas para Bitcoin.”

    O lado obscuro

    Vries diz que também limita o número de transações que o sistema pode processar a cerca de cinco por segundo.

    Isso não o torna uma moeda útil, argumenta. E essa opinião é compartilhada por muitas figuras eminentes das finanças e da economia.

    As duas características essenciais de uma moeda de sucesso são que ela permite de forma eficaz as trocas e servem como uma reserva estável de valor, diz Ken Rogoff, professor de economia da Universidade Harvard em Cambridge, Massachusetts, e ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI).

    E ele acredita que bitcoin não é nada disso.

    “O fato é que não é muito usado na economia legal agora. Sim, uma pessoa rica vende para outra pessoa, mas isso não é um uso final. E sem isso você realmente não tem um futuro de longo prazo.”

    Para ele, o bitcoin existe quase exclusivamente como um veículo para especulação.

    A bolha está prestes a estourar?

    “Esse é o meu palpite”, diz o professor Rogoff, e faz uma pausa. “Mas eu realmente não poderia dizer quando.”

    Fonte: G1

    Serviços

    Últimas Notícias

    Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

    Em busca de dinheiro dos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a seu homólogo Joe Biden...

    IPO da Blau atrai fundos globais e companhia vale R$ 7,2 bi na largada

    A Blau Farmacêutica acaba de precificar seu IPO a R$ 40,14 por ação, dando ao mercado mais uma alternativa...

    Veja outras matérias