quinta-feira, setembro 23, 2021
Outros

    Blizzard, gigante de games, enfrenta escândalo por assédio e acende debate

    Em Destaque

    As denúncias de machismo eassédio sexual dentro da desenvolvedora de jogos Blizzard atingem novos patamares.

    Na última semana, o estado da Califórnia, nos Estados Unidos, processou a empresa por denúncias de assédio sexual, diferenças salariais entre homens e mulheres na mesma posição e por um ambiente de trabalho que era conivente com avanços físicos e verbais sobre funcionárias. A situação é grave e o processo menciona até que uma funcionária cometeu suicídio após formas extremas de abuso na empresa.

    Desde a abertura do processo, a situação vem escalando. A empresa contratou um escritório de advogados para lidar com o caso e já fala em remover conteúdo “inapropriado” de títulos famosos como World of Warcraft, por eles fazerem referência a funcionários acusados de investidas no processo.

    Bobby Kotick, CEO da empresa, veio a público com uma carta para funcionários, investidores e o público, dizendo que a reação inicial da empresa foi “francamente, sem tom”. Kotick afirmou que a Blizzard está “tomando ações rápidas” para garantir um ambiente de trabalho seguro.

    Os funcionários da companhia endossaram o processo e planejam uma passeata para chamar atenção sobre o caso nesta quarta-feira. Mais de 3.000 atuais e ex-empregados assinaram uma carta digital para os líderes da empresa dizendo que a resposta ao processo foi “repugnante e desrespeitosa”.

    Agora, a Blizzard está sob os holofotes em uma indústria que historicamente lida com problemas de assédio contra mulheres.

    Em 2019, a Riot Games, desenvolvedora de títulos como League of Legends, chegou a um acordo para pagar ao menos 10 milhões de dólares em uma ação conjunta por discriminação baseada em gênero e cultura de assédio sexual da empresa — valor que foi considerado baixo pela promotoria, a mesma que iniciou o caso contra a Blizzard.

    A francesa Ubisoft também foi alvo de escândalo por abusos sexuais dentro da empresa, com ex-funcionárias dizendo que a situação se delongou por anos antes de ter vindo a público no ano passado.

    Enquanto Kotick, que é CEO da companhia desde 1991, tenta contornar a situação, a empresa busca apaziguar ânimos permitindo licença para muitos comparecerem à passeata de hoje e reiterando que irá implementar novos processos para lidar com as denúncias.

    O que afirma o processo

    A situação é grave para a empresa. O processo afirma que a cultura interna da Blizzard permitia piadas sobre estupro, comentários sobre o corpo de mulheres e até avanços no local de trabalho sem qualquer tipo de retaliação da empresa ou de lideranças, que por vezes estimulavam o comportamento.

    “Funcionárias quase universalmente confirmaram que trabalhar para a empresa era quase como trabalhar em uma casa de fraternidade, em que invariavelmente envolvia funcionários bebendo e submetendo funcionárias a assédio sexual sem qualquer repercussão”, diz o processo.

    “‘Assaltos a mesas’ [termo traduzido de ‘cube crawl’ e usado no processo para exemplificar avanços inapropriados de funcionários] nos escritórios da empresa eram comuns e os funcionários orgulhosamente vinham trabalhar de ressaca. De maneira similar, funcionários jogavam videogames durante o horário de trabalho, se engajavam em discussões sobre sexo, falavam abertamente do corpo de mulheres e faziam diversas piadas sobre estupro”.

    A situação se estendia a acontecimentos públicos, com funcionários de alto escalão, como o diretor criativo sênior de World of Warcraft, Alex Afrasiabi, assediando colegas em eventos da empresa.

    Fonte: Exame

    Fusões e Aquisições

    Últimas Notícias

    Conheça a startup que vale 8,7 bilhões de dólares vendendo carros usados

    Não faz dois meses que a Kavak – unicórnio mexicano para compra e vendas de carros seminovos – veio...

    Sem conseguir vender ativos, Saraiva corre risco de ter falência decretada

    Sem conseguir vender ativos, como pontos de lojas e seu domínio na internet, para ganhar fôlego para pagar seus...

    Veja outras matérias