terça-feira, setembro 22, 2020
Outros

    Confiança da indústria sobe pelo 4º mês seguido e mantém tendência de recuperação

    Em Destaque

    Brasil recebe cota adicional para vender 80 mil toneladas de açúcar aos EUA, diz Bolsonaro

    O presidente Jair Bolsonaro anunciou em rede social, nesta segunda-feira (21), que o Brasil vai receber uma...

    Vulcabras fecha acordo com Alpargatas para comprar operação da Mizuno no Brasil

    A Vulcabras fechou acordo com a Alpargatas para a compra da unidade de negócio relativa à operação...

    Mercado eleva estimativa para inflação em 2020 pela 6ª vez

    O mercado voltou a elevar a expectativa para a inflação este ano em meio às renovadas preocupações...

    O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas avançou 8,9 pontos em agosto, alcançado 98,7 pontos. Com a 4ª alta seguida, o indicador recuperou 40,5 pontos, ou 93,8% dos 43,2 pontos perdidos em março e abril.

    “A confiança do setor industrial manteve a tendência de recuperação iniciada nos últimos meses de forma consistente e disseminada. Apesar de ainda se mostrarem insatisfeitos com o nível de demanda, a opinião dos empresários sobre a situação dos negócios no momento tem se aproximado cada vez mais do período pré pandemia”, comenta Renata de Mello Franco, economista do FGV IBRE.

    Em agosto, 18 dos 19 segmentos industriais pesquisados tiveram aumento da confiança.

    “Para os próximos meses, os indicadores de expectativas mostram certo otimismo, com mais de 40% do setor prevendo aumento do ritmo de produção. Contudo, observamos que ainda há muita incerteza das empresas, evidenciada pela dificuldade de recuperação do indicador de tendência dos negócios”, acrescentou o pesquisador.

    O Nível de Utilização da Capacidade instalada subiu de 72,3% para 75,3%. Com esse resultado, o NUCI encontra-se no mesmo patamar de março, mas segue 0,9 p.p. abaixo de fevereiro (76,2%).

    Em relação ao momento atual, houve aumento da satisfação dos empresários com a situação atual dos negócios. O indicador avançou 12,1 pontos para 99,1 pontos, maior nível desde fevereiro. A parcela de empresas que avaliam a situação atual como boa aumentou de 19,1% para 27,2% do total, enquanto a parcela das que a consideram fraca caiu de 40,6% para 27,5% do total.

    O nível dos estoques subiu 8,8 pontos, de 90,2 pontos para 99,0 pontos, e o de demanda cresceu 4,7 pontos, de 91,0 pontos para 95,7 pontos. Apenas o indicador de estoques está abaixo de março desse ano.

    Já o Índice de Expectativas cresceu 9,1 pontos, para 99,6 pontos, nível acima de março (96,2 pontos), mas ainda abaixo de fevereiro (101,8 pontos).

    Fonte: G1

    Serviços

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Pré Auditoria

    A Profiting, utiliza o serviço de Pré Diligência, como procedimento básico para qualquer negociação de venda de uma empresa cliente. Com foco...

    Últimas Notícias

    Magazine Luiza e Sebrae vão expandir parceria que qualifica pequenos negócios para atuar em e-commerce

    O Magazine Luiza (MGLU3) e o Sebrae vão expandir a parceria para todo o país. Atualmente com...

    Creditas entra na briga pelo mercado de benefícios corporativos

    O mercado de benefícios corporativos ganha um competidor de peso nesta segunda-feira, 21. A fintech , conhecida...

    Veja outras matérias