quarta-feira, fevereiro 24, 2021
Outros

    Cuba aposta em criar primeira vacina da América Latina contra a covid-19

    Em Destaque

    Há 34 dias média diária de mortes por covid-19 no Brasil está acima de mil

    O consórcio de veículos de imprensa divulgou um balanço nesta terça-feira, 23, com os números da pandemia de covid-19...

    IPO do super app: Dotz quer ir à bolsa com 48 milhões de contas

    A temporada 2021 de ofertas públicas iniciais (IPOs, na sigla em inglês) continua aquecida, apesar da volta do risco...

    Nova Magalu? O que esperar da ação de Lojas Americanas com a fusão com a B2W

    Após dispararem 20% no último pregão, com o anúncio de que estuda uma combinação de negócios com a B2W,...

    É uma aposta que pode parecer loucura, mas os experientes pesquisadores cubanos focaram na tarefa de desenvolver a primeira vacina contra o coronavírus concebida e produzida na América Latina. O país é um dos menos afetados da região pela pandemia, com 19.122 casos registrados e 180 mortes, entre uma população de 11,2 milhões de habitantes – pouco menor que a da capital paulistana, onde a covid-19 já matou quase 17 mil pessoas.

    “Temos a capacidade para fabricar 100 milhões de doses” em 2021 da Soberana 2, o projeto de vacina mais avançado, afirmou na quarta-feira o doutor Vicente Vérez, diretor do instituto de vacinas Finlay. “Se tudo correr bem, este ano teremos toda a população vacinada”.

    A Soberana 2 passou na segunda-feira para a fase II b, com a colaboração de 900 voluntários. Se for bem-sucedida, entrará na fase III (a última antes da aprovação), com 150.000 voluntários em março. O objetivo é lançar a campanha de vacinação no primeiro semestre. Para os cubanos, a vacina seria gratuita e não obrigatória. Também seria uma “opção” para os turistas, disse Vérez.

    Em um país onde um quarto do orçamento é destinado à saúde e os médicos são vistos como heróis, participar dos ensaios se tornou um dever cívico.

    Os cientistas cubanos trabalham em quatro vacinas: Soberana 1 e 2, Abdala (chamada assim por um poema dramático do herói nacional José Martí) e Mambisa (nome das mulheres cubanas durante a luta pela independência no século XIX). As três primeiras são administradas com uma injeção e a quarta com um spray nasal.

    30 anos de experiência

    Cuba “foi a primeira candidata da América Latina e do Caribe a colocar sua vacina em fase clínica”, destaca José Moya, representante local da Organização Mundial da Saúde (OMS), e se diz “otimista”. O motivo de seu otimismo é porque “Cuba tem mais de 30 anos de experiência em produzir suas próprias vacinas. Quase 80% das vacinas do programa nacional de imunização de Cuba são produzidas no país”.

    Sob um embargo dos Estados Unidos imposto desde 1962, a ilha teve que buscar seus próprios remédios. Na década de 1980, apostou na biotecnologia, descobrindo a primeira vacina contra o meningococo B, conta Nils Graber, pesquisador de antropologia da saúde da Universidade de Lausanne (Suíça).

    A exportação dos serviços médicos – medicamentos, vacinas e equipe médica – é atualmente a principal fonte de renda de Cuba, com 6,3 bilhões de dólares em 2018. Em 2020, a ilha enviou equipes médicas para 40 países para o combate ao coronavírus. O envio de seus médicos ao exterior e a fabricação de sua própria vacina “também é uma política que aumenta o prestígio do país”, observa o pesquisador.

    Fonte: Exame

    Serviços

    Últimas Notícias

    IPO do super app: Dotz quer ir à bolsa com 48 milhões de contas

    A temporada 2021 de ofertas públicas iniciais (IPOs, na sigla em inglês) continua aquecida, apesar da volta do risco...

    Nova Magalu? O que esperar da ação de Lojas Americanas com a fusão com a B2W

    Após dispararem 20% no último pregão, com o anúncio de que estuda uma combinação de negócios com a B2W,...

    Veja outras matérias