sexta-feira, abril 16, 2021
Outros

    Dasa corta preço, sai a R$ 58 e levanta R$ 3,8 bi

    Em Destaque

    Governo estima rombo de R$ 170,5 bi em 2022 e vê 11 anos de contas no vermelho

    No projeto que estabelece as diretrizes para o Orçamento de 2022, enviado ao Congresso nesta quinta-feira (15), o governo...

    Hering rejeita proposta de compra pela Arezzo

    A Hering decidiu, em reunião nesta quarta-feira, 14, negar a proposta feita pela Arezzo de combinar os negócios das...

    Magazine Luiza recebe aval do Cade para compra da Hub Prepaid

    O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da Hub Prepaid pelo Magazine Luiza, sem...

    Em meio a um mercado de IPO avesso a risco e que já fez muitas vítimas, a Dasa teve que ceder no preço para conseguir precificar sua oferta e saiu a R$ 58 por ação.

    A companhia controlada pela família Bueno levantou R$ 3,8 bilhões entre a oferta base e o greenshoe, que foi integralmente colocado.

    A ampla faixa original, que ia de R$ 64,90 para R$ 84,50, foi revista na segunda-feira à noite para R$ 56,75 a R$ 60, com a Dasa enfrentando um ambiente que já forçou 18 empresas a adiar suas ofertas e ameaça cancelar outros IPOs do setor.

    No final, a companhia precificou no meio da nova faixa, um desconto de 10,6% em relação ao piso da faixa original.

    Neste preço, a Dasa está saindo a um múltiplo de 16,5x o EBITDA estimado para este ano (em números IFRS), um desconto substancial em relação aos 22x da Rede D’Or e aos cerca de 17x em que Hapvida e Intermédica negociam considerando as sinergias pós-fusão. (Hoje, os papéis ainda saem a cerca de 22x.)

    Insatisfeita com o valuation, a família Bueno colocou R$ 500 milhões na oferta para não ser diluída nos níveis atuais. “Eles quiseram demonstrar comprometimento de longo prazo e dizer que o fundamento é melhor do que o mercado aceita pagar nesse momento,” disse uma fonte próxima à oferta.

    O processo de alocação estava em curso no momento desta publicação, mas caminhava para investidores internacionais ficarem com 60% e os locais, com o saldo — com uma prevalência de fundos long-only nas duas demografias.

    Ainda assim, o vento de proa enfrentado pela Dasa é um mau presságio para a Hospital Care e a Kora Saúde, duas redes hospitalares que estão no mercado com seus IPOs. O Hospital Care quer levantar R$ 1,1 bilhão numa oferta primária e secundária; a Kora, uma rede capixaba com 10 hospitais e mil leitos, ainda não fez o segundo protocolo junto à CVM.

    Já a Rede Mater Dei deve atravessar a arrebentação, ainda que enfrente pressão para ajustar seu preço depois que a Rede D’Or estragou a festa entrando em Belo Horizonte — o principal mercado da Mater Dei — com a aquisição do Biocor, segundo pessoas próximas à transação.

    Agora, a Mater Dei enfrentará a D’Or em casa e em Salvador, onde os mineiros estão construindo um novo hospital e a Rede D’Or já tem três.

    Os coordenadores da oferta foram Bradesco BBI (líder), BTG Pactual, Bank of America e Credit Suisse. Santander, Safra, Itaú BBA e Morgan Stanley também participaram do sindicato.

    Fonte: Brazil Journal

    Serviços

    Últimas Notícias

    Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

    Em busca de dinheiro dos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a seu homólogo Joe Biden...

    IPO da Blau atrai fundos globais e companhia vale R$ 7,2 bi na largada

    A Blau Farmacêutica acaba de precificar seu IPO a R$ 40,14 por ação, dando ao mercado mais uma alternativa...

    Veja outras matérias