sexta-feira, agosto 7, 2020
Outros

    De grife de moda à produtora de streaming: a jogada da Lululemon para se manter em forma

    Em Destaque

    Alexandre Garcia analisa prorrogação do estado de calamidade pública

    https://www.youtube.com/watch?v=6n31ZSlkNMY Liberdade de Opinião No quadro Liberdade de Opinião,...

    Startups de quarentena e o novo normal no setor de turismo

    https://open.spotify.com/episode/592ttnMDpiJRlvtM1RAFh5?si=v79K5vp-T4ajxtcMifsWpg No episódio de hoje, falamos sobre as startups que nasceram e...

    Como será a comunicação das empresas, pós covid-19?

    Artigo de Eduardo Chvaicer* Desde o início da pandemia,...

    A marca de roupas de ginástica canadense Lululemon pagou US$ 500 milhões pela startup Mirror, que desenvolve um espelho que “dá” aulas de ginástica por streaming. O alvo é competir com a Peloton

    A Lululemon olhou no espelho e viu… a Mirror.

    A companhia canadense que faz roupas esportivas, especialmente para ioga, acaba de desembolsar US$ 500 milhões para comprar a startup Mirror, que desenvolve um espelho inteligente em que o usuário imita os movimentos do instrutor que é projetado na tela.

    A aquisição foi considerada estratégica pelo mercado. Com academias fechadas e milhões em isolamento social por conta da pandemia da Covid-19, as pessoas estão se exercitando em casa.

    A compra indica também que a Lululemon vai para cima da Peloton, considerada a Apple das bicicletas, umas das empresas que estão se beneficiando da crise do coronavírus – nesse ano, as ações da Peloton já subiram quase 90%.

    Com a aquisição, a Lululemon adiciona um novo componente que pode ajudar a valorizar ainda mais suas ações, que já subiram 34% em 2020. A Mirror, com sede em Nova York, espera alcançar mais de US$ 100 milhões em receita esse ano. A Lululemon, por sua vez, faturou US$ 4 bilhões e vale mais de US$ 40 bilhões.

    A companhia vende um espelho por U$ 1.495 que é montado na parede e transmite aulas de ginástica por streaming. A Mirror cobra US$ 39/mês pelas aulas, que podem ser ao vivo ou gravadas. Os “alunos”, em frente ao espelho, acompanham os exercícios passados pelo “professor” remoto.

    “Não se trata apenas de convencer os clientes a comprar roupas”, disse Calvin McDonald, CEO da Lululemon. “Trata-se de fortalecer nossa comunidade. É uma nova fonte de receita, com a qual estamos entusiasmados.”

    A Mirror foi fundada por Brynn Putnam, um ex-dançarino do New York City Ballet, que levantou US$ 72 milhões de investidores para apoiar sua ideia. Entre eles estão a Point72 Ventures e a Spark Capital. A própria Lululemon havia feito um investimento de US$ 1 milhão na startup, antes da aquisição.

    Agora, a Mirror vai ganhar a musculatura da Lululemon para a distribuição de seu produto. No final do ano fiscal de 2019, a empresa contava 491 lojas em 17 países. E suas unidades são conhecidas por oferecer experiências, como aulas de yoga, entre outras atividades.

    A expectativa é que os espelhos da Mirror também sejam instalados em algumas lojas para aumentar o leque de atividades oferecidas.

    Fonte: Neofeed

    Serviços

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empreendedores, em âmbito nacional,  que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Pré Auditoria

    A Profiting, utiliza o serviço de Pré Diligência, como procedimento básico para qualquer negociação de venda de uma empresa cliente. Com foco...

    Últimas Notícias

    Sony pretende começar a testar carro elétrico nas ruas do Japão até março de 2021

    A Sony deu mais um passo na direção de ter seu próprio carro. Depois de apresentar o...

    Transição para economia limpa pode criar 15 milhões de empregos na América Latina e Caribe até 2030

    A transição para uma economia com zero emissões líquidas de carbono poderia criar 15 milhões de novos...

    Veja outras matérias