sábado, dezembro 4, 2021
Outros

    Disney no metaverso: ‘é nosso futuro e faremos dele um lugar mais feliz’

    Em Destaque

    O metaverso vem sendo anunciado como uma das maiores mudanças sociais que o universo dos criptoativos e da blockchain pode produzir na sociedade. Muito maior que a revolução causada pelo bitcoin o metaverso pode se tornar uma nova forma de organização social na qual não há mais limites entre o digital e o físico.

    Embora o termo tenha ficado popular entre os investidores de criptomoedas devido a plataformas como Decentraland e o Axie Infinity, jogo play-to-earn que virou sucesso mundial, o metaverso tem o potencial de ser muito mais que apenas jogos e avatares virtuais mas um universo próprio no qual a vida digital inclusive pode não ter mais conexão com a vida física.

    Nesta linha a Disney, uma das empresas de entretenimento mais famosas e antigas do mundo que está no imaginário de boa parte da população mundial, anunciou que o metaverso é o seu futuro com Bob Chapek, CEO da empresa, descrevendo o mundo da realidade virtual como uma “integração ilimitada do mundo físico e do mundo digital”.
    “Isso é um pouco difícil de entender, porque o metaverso ainda não foi criado, mas acho que a Disney tem essa capacidade única de capturar a representação física da vida das pessoas e integrá-la à existência digital que elas têm”, disse.

    Chapek destacou que todas as grandes empresas do mundo estão entrando no metaverso. Ele citou o Facebook que mudou seu nome para Meta e também pontuou que a Microsoft e a HP também anunciaram sua entrada neste novo universo digital.

    Disney

    O CEO da Disney disse também que a empresa planeja construir seu metaverso conectando os mundos físico e digital e alinhando experiências que a companhia tem em múltiplas plataformas em um só lugar.
    “O que fizemos até agora é apenas o prelúdio da era em que seremos capazes de conectar os mundos físico e digital de forma mais próxima, permitindo uma narrativa ilimitada em nosso próprio metaverso da Disney. Estamos ansiosos para criar oportunidades incomparáveis ​​para os consumidores , Permitindo que eles experimentem tudo o que a Disney oferece em nossos produtos e plataformas, não importa onde o consumidor esteja. “, disse.

    Chapek disse que a Disney tem um longo e bom histórico de uso de tecnologia para aprimorar a experiência de entretenimento. Ele citou por exemplo que o primeiro desenho animado “Willie Steamboat” com som sincronizado foi desenvolvido pela companhia.
    “Enquanto olhamos para a próxima fronteira, dada nossa combinação única de branding, franquia, experiência física e digital e alcance global, vemos um potencial ilimitado, o que nos dá uma visão da Walt Disney Company para os próximos 100 anos”, afirmou.

    Fonte: Exame

    Fusões e Aquisições

    Últimas Notícias

    Alexandre Saigh: “IPOs só no fim de 2022 ou 2023”

    Numa tacada que consolidou a maior gestora de private equity, infraestrutura e crédito da América latina, o Pátria acaba...

    Migração do Inter à Nasdaq fica para depois

    Pedidos de resgate ficaram acima dos R$ 2 bilhões que o banco digital havia estipulado como limite A migração do...

    Veja outras matérias