sexta-feira, abril 16, 2021
Outros

    Do capital à mentoria, esta empresa quer ser uma “fábrica de startups”

    Em Destaque

    Governo estima rombo de R$ 170,5 bi em 2022 e vê 11 anos de contas no vermelho

    No projeto que estabelece as diretrizes para o Orçamento de 2022, enviado ao Congresso nesta quinta-feira (15), o governo...

    Hering rejeita proposta de compra pela Arezzo

    A Hering decidiu, em reunião nesta quarta-feira, 14, negar a proposta feita pela Arezzo de combinar os negócios das...

    Magazine Luiza recebe aval do Cade para compra da Hub Prepaid

    O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da Hub Prepaid pelo Magazine Luiza, sem...

    Uma mistura de fundo de investimento com aceleradora de negócios: é assim que a Seastorm define o seu trabalho. A empresa brasileira, fundada pelos ex-sócios da fintech Trigg, Marcela Miranda e Guilherme Muller, está no mercado desde 2009 em busca de boas ideias que possam se tornar negócios digitais de sucesso. “Somos uma fábrica de startups, partimos a partir de um problema real para criar um negócio do zero”, diz Miranda.

    Na prática, a empresa atua como uma holding de startups. Muller e Miranda usam sua experiência com tecnologia e marketing para encontrar boas ideias de negócios digitais. Ao se deparar com um bom projeto de um empreendedor engajado, a dupla compra participação no negócio e ajuda a desenvolvê-lo. Em média, são feitos investimentos de 350.000 reais em cada projeto nascente.

    Segundo Miranda, o grande diferencial da companhia não é o dinheiro aplicado, mas sim toda a estrutura que ela oferece para as startups. Ela e Muller trabalham com cada empreendedor para chegar a um modelo de negócio ideal. Além disso, eles disponibilizam seus cerca de 160 funcionários para ajudar as startups investidas com áreas operacionais, como tecnologia, finanças, marketing e recursos humanos.

    Nesses dez anos de atuação, a empresa teve dois grandes casos de sucesso. O primeiro foi com a fintech de cartão de crédito Trigg, vendida ao grupo Omni em fevereiro de 2020. Um mês depois, a Huvvi, startup de serviços automotivos, foi adquirida pelo grupo Autoglass.

    Hoje, há nove companhias no portfólio da Seastorm: CBYK, WeOnne, Grumft Programmatic Media, MeediaOnne, GreatGamesHub, Gnet, Abpix e B4. De acordo com os sócios, elas somam 150 milhões de reais em valor de mercado. “Diferente de uma aceleradora que investe em um número grande de empresas para uma dar certo, nós investimos em dez para as dez darem certo”, diz Miranda.

    Ao entrar em um negócio novo, a Seastorm pede pelo menos 30% de participação. Segundo Miranda, o valor é para compensar o tempo de trabalho investido para tirar uma ideia do Powerpoint e levá-la ao mundo real.

    Agora, a dupla de fundadores está de olho em oportunidades em mercados que avançaram com a pandemia, como publicidade digital, e-commerce e games. “A meta é ter pelo menos mais dois projetos rodando dentro de alguns meses”, diz a executiva.

    Fonte: Exame

    Serviços

    Últimas Notícias

    Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

    Em busca de dinheiro dos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a seu homólogo Joe Biden...

    IPO da Blau atrai fundos globais e companhia vale R$ 7,2 bi na largada

    A Blau Farmacêutica acaba de precificar seu IPO a R$ 40,14 por ação, dando ao mercado mais uma alternativa...

    Veja outras matérias