quinta-feira, outubro 22, 2020
Outros

    Em busca de mais digitalização, Eleva Educação compra Agenda Edu

    Em Destaque

    Diretora do BC reitera impacto de crise climática para política monetária

    Eventos climáticos extremos têm se tornado mais frequentes no mundo, com possibilidade de afetar as decisões da...

    Na 2ª alta seguida, arrecadação de impostos avança 1,97% em setembro e atinge R$ 119,8 bi

    A Receita Federal informou nesta quarta-feira (21) que a arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais...

    Recorde na B3: vendas de ações em 2020 já somam R$ 106 bilhões

    O ano de 2020 ainda nem terminou, é verdade. Mas, até os mais conservadores já podem se...

    A Agenda Edu, plataforma que conecta pais e professores, anunciou nesta sexta-feira (18/09) a venda da empresa para a Eleva Educação, rede de escolas que tem entre seus investidores o bilionário Jorge Paulo Lemann. O valor da aquisição não foi divulgado. O objetivo é aumentar a digitalização da Eleva.

    Anderson Morais, fundador e atual CEO da edtech, permanece no cargo dentro da Agenda Edu, mas também será um dos líderes da área de corporate venture da Eleva, setor responsável por fechar parcerias com empresas, comprar outras startups e criar novos produtos.

    Segundo o executivo, a sinergia de cultura, propósito e visão de longo prazo entre as duas empresas foi o que motivou a operação. “Encontramos a possibilidade de termos o nosso produto e a nossa visão elevados por capital, estrutura e gente boa, com conhecimento em educação”, diz o CEO da Agenda Edu.

    Morais conta que as primeiras conversas sobre um possível negócio começaram ainda em 2019. Por conta da pandemia do novo coronavírus, a conclusão levou mais tempo do que o esperado. “Foram meses até chegarmos a uma conclusão certa para ambos. É uma soma de dois negócios com inovação em seu DNA”, diz o empresário.

    Atualmente, a edtech atende cerca de 1,5 milhão usuários de 2 mil escolas. Em 2015, a plataforma participou de um programa de aceleração da Fundação Lemann. Antes do negócio, também tinha recebido R$ 4,5 milhões em investimentos dos fundos Domo Invest, Omidyar Network e Bossa Nova.

    A aquisição surge poucos meses antes do IPO da Eleva. Segundo fontes familizaridas com o assunto, a rede de escolas contratou os bancos Itaú Unibanco, Goldman Sachs e Morgan Stanley para coordenar a oferta. A operação pode movimentar cerca de R$ 1,5 bilhão.

    Fonte: Época Negócios

    Serviços

    Investimento em Empresas

    O mercado de aquisições de empresas está bem ativo e atraente considerando dois aspectos: O Dólar alto e a SELIC baixa.

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Últimas Notícias

    Startup do Carrefour reduz desperdício e ajuda a economizar até R$ 2 mi

    O Cybercook poderia ser apenas mais um site de receitas. Mas, adquirido pela rede de supermercados Carrefour...

    O que está por trás das compras da Stone?

    Nos últimos anos, a Stone comprou diversas startups, como a Vitta, de planos de saúde, e a...

    Veja outras matérias