terça-feira, janeiro 26, 2021
Outros

    Em meio à pandemia, concessões de crédito somam R$ 3,4 trilhões entre março e dezembro, diz Febraban

    Em Destaque

    O que o day trade e as ações da GameStop revelam sobre a bolha

    O que uma rede de lojas físicas de games pode oferecer de retorno para o investidor em...

    Apple alerta sobre cuidados no uso do iPhone 12 por pessoas com marca-passo

    A Apple publicou nesta segunda-feira (25) uma página de suporte em português sobre os cuidados que pessoas...

    Apesar da pandemia, Globo bate meta de lucro em 2020

    Em comunicado enviado aos seus colaboradores, a TV Globo celebrou ter alcançado as metas de lucratividade em...

    As concessões de crédito no Brasil somaram R$ 3,4 trilhões do início de março até o fim de dezembro, período que abrange a pandemia de Covid-19. O número, que a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) divulga nesta segunda-feira (11), contempla novas contratações, renovações e suspensão de parcelas.

    O volume leva em conta os R$ 3,1 trilhões em operações feitas de março a novembro, já divulgadas pelo Banco Central, e também os R$ 313,8 bilhões concedidos a pessoas jurídicas com recursos livres e a pessoas físicas no crédito imobiliário.

    As renegociações totalizaram 16,8 milhões de contratos com pagamentos em dia, que representam R$ 971,5 bilhões em operações. O valor das parcelas suspensas – por períodos que vão de 60 a 180 dias, dependendo da instituição financeira – soma R$ 146,7 bilhões.

    De acordo com a Febraban, os bancos concederam R$ 325,2 bilhões para micro e pequenas empresas entre 16 de março e 31 de dezembro, incluindo novos créditos e renovações.

    As concessões para pessoas jurídicas aumentaram 34,5% na média por dia útil quando comparados os períodos de 16 de março a 31 de dezembro do ano passado (201 dias úteis) e de março a novembro de 2019 (191 dias úteis).

    “O desempenho do crédito em 2020 foi extraordinário. Ao contrário de outras crises, quando houve um recuo expressivo nas concessões, desta vez, mesmo com o forte aumento do risco nas operações de crédito, os bancos nunca tiveram uma atuação tão proativa como nessa crise”, afirmou, por meio de nota, o presidente da Febraban, Isaac Sidney.

    Ele lembrou que a carteira de pessoas jurídicas deve ter fechado o ano passado no maior patamar da série histórica.

    Sidney reiterou que a projeção dos bancos para 2021 é de crescimento de 7% no crédito, o que deve representar o dobro da expansão do Produto Interno Bruto (PIB). “É fundamental, portanto, que o sistema financeiro mantenha os níveis robustos de capital e liquidez”, destacou.

    Fonte: G1

    Serviços

    Profiting faz Road Show para captar 20 Milhões.

    O recurso será investido em empresas associadas visando crescimento em vendas e aumento de produção. O mercado de aquisições...

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Últimas Notícias

    O que o day trade e as ações da GameStop revelam sobre a bolha

    O que uma rede de lojas físicas de games pode oferecer de retorno para o investidor em...

    Apple alerta sobre cuidados no uso do iPhone 12 por pessoas com marca-passo

    A Apple publicou nesta segunda-feira (25) uma página de suporte em português sobre os cuidados que pessoas...

    Veja outras matérias