sexta-feira, agosto 7, 2020
Outros

    Eneva tem nova proposta pela AES Tietê em disputa que balança o mercado

    Em Destaque

    Alexandre Garcia analisa prorrogação do estado de calamidade pública

    https://www.youtube.com/watch?v=6n31ZSlkNMY Liberdade de Opinião No quadro Liberdade de Opinião,...

    Startups de quarentena e o novo normal no setor de turismo

    https://open.spotify.com/episode/592ttnMDpiJRlvtM1RAFh5?si=v79K5vp-T4ajxtcMifsWpg No episódio de hoje, falamos sobre as startups que nasceram e...

    Como será a comunicação das empresas, pós covid-19?

    Artigo de Eduardo Chvaicer* Desde o início da pandemia,...

    Uma disputa no setor elétrico está balançando o segmento de energia e sendo acompanhado de perto por todo o mercado financeiro. A Eneva, empresa especializada na geração de energia por meio de termelétricas, realizou uma proposta, rechaçada, pela aquisição da maior parte da AES Tietê, uma outra geradora, mas especializada em renováveis. Agora, conforme VEJA apurou, a Eneva irá encaminhar uma nova proposta, o que deve deixar em ebulição o longo litígio que se anuncia entre o grupo americano que são os controladores da AES Tietê e os acionistas minoritários da empresa.

    O embate acontece porque a AES detém mais de 51% das ações ordinárias, o que a torna controladora do capital votante da empresa, mas 24,35% do capital total. Os minoritários, com o apoio do BNDES, que na estrutura detém 28,41% do capital total, mas por meio de ações preferenciais — que não dão poder de voto — buscam criar um novo entendimento que possibilita que seus votos contem para casos de fusão e aquisição. A B3, bolsa de valores de São Paulo, enviou uma carta aos acionistas afirmando que, como a AES Tietê integra o Nível 2 de Governança Corporativa da bolsa, os minoritários têm razão no pleito. Até então, entendia-se que somente empresas listadas no Novo Mercado — que não negocia ações preferenciais, somente ordinárias — tinham essa obrigação. A discussão jurídica será longa.

    Agora, controladores e minoritários, o BNDES em especial, se preparam para a Assembleia Geral Extraordinária que está marcada para o próximo dia 31 e, acredita-se, esta nova proposta da Eneva será colocada em discussão. Outro interessado na contenda é a Eletrobras, que possui 7,94% de participação na AES Tietê e que também tem a vontade de vender sua parte.

    Caso os minoritários saiam vitoriosos dessa discussão, a formulação das estruturas de governança corporativa de empresas listadas na B3 pode mudar.

    Fonte: Veja

    Serviços

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empreendedores, em âmbito nacional,  que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Pré Auditoria

    A Profiting, utiliza o serviço de Pré Diligência, como procedimento básico para qualquer negociação de venda de uma empresa cliente. Com foco...

    Últimas Notícias

    Sony pretende começar a testar carro elétrico nas ruas do Japão até março de 2021

    A Sony deu mais um passo na direção de ter seu próprio carro. Depois de apresentar o...

    Transição para economia limpa pode criar 15 milhões de empregos na América Latina e Caribe até 2030

    A transição para uma economia com zero emissões líquidas de carbono poderia criar 15 milhões de novos...

    Veja outras matérias