sexta-feira, abril 16, 2021
Outros

    Evitar o aquecimento global custa menos que consertar danos, diz pesquisa

    Em Destaque

    Governo estima rombo de R$ 170,5 bi em 2022 e vê 11 anos de contas no vermelho

    No projeto que estabelece as diretrizes para o Orçamento de 2022, enviado ao Congresso nesta quinta-feira (15), o governo...

    Hering rejeita proposta de compra pela Arezzo

    A Hering decidiu, em reunião nesta quarta-feira, 14, negar a proposta feita pela Arezzo de combinar os negócios das...

    Magazine Luiza recebe aval do Cade para compra da Hub Prepaid

    O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da Hub Prepaid pelo Magazine Luiza, sem...

    Combater as mudanças climáticas sairá muito mais barato do que lidar com suas consequências. No longo prazo, os danos econômicos do aquecimento global chegarão a 1,7 trilhão de dólares por ano até 2025 e, após isso, cerca de 30 trilhões de dólares anualmente até 2075. As projeções são de uma pesquisa global conduzida pelo Instituto de Integridade Política da escola de direito da Universidade de Nova York.

    Participaram ao todo 738 economistas com experiência em mudanças climáticas e que publicaram pelo menos um artigo sobre o tema em alguma importante publicação de economia. Foram feitas perguntas sobre os riscos das mudanças climáticas, estimativas de danos econômicos e perspectivas de redução de emissões.

    A pesquisa mostra que 74% dos economistas vêem a ação “imediata e drástica” como necessária para evitar que as alterações do clima causem prejuízos crescentes ano a ano, um acréscimo de 24% em relação à resposta da versão de 2015 do relatório.

    O relatório também mostra que há um consenso de que os custos das alterações climáticas pesarão mais no bolso dos países do que a implementação de políticas e tecnologias de neutralização de emissões. Mais da metade (66%) dos entrevistados concorda que alcançar emissões líquidas zero até 2050 superaria os custos para o desenvolvimento de projetos de energia limpa.

    Parte dessa disparidade de custos se deve ao barateamento de tecnologias como as de fontes solares e eólicas. Essa afirmação por si só seria capaz de justificar a necessidade de “esforços econômicos agressivos para redução de emissões, em linha com as metas do Acordo de Paris”, dizem os autores.

    “Há um claro consenso entre esses especialistas de que o statu quo parece muito mais caro do que uma grande transição energética”, disse Derek Sylvan, diretor de estratégia do Instituto e coautor da pesquisa.

    Desigualdade econômica

    A grande maioria (89%) dos respondentes também afirmou que, se nada for feito, o aquecimento global será capaz de atenuar ainda mais a desigualdade de renda no mundo, especialmente entre países ricos e pobres. Com menos recursos financeiros para lidar com os efeitos das mudanças climáticas, os países pobres podem ficar para trás, estar mais expostos aos riscos ambientais e com danos econômicos irreversíveis

    70% dos entrevistados também acharam que a desigualdade nacional entre diferentes classes sociais também vai piorar à medida que o mundo aquecer.

    Fonte: Exame

    Serviços

    Últimas Notícias

    Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

    Em busca de dinheiro dos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a seu homólogo Joe Biden...

    IPO da Blau atrai fundos globais e companhia vale R$ 7,2 bi na largada

    A Blau Farmacêutica acaba de precificar seu IPO a R$ 40,14 por ação, dando ao mercado mais uma alternativa...

    Veja outras matérias