sexta-feira, abril 16, 2021
Outros

    Fusões e aquisições sinalizam melhor 1º tri em duas décadas no mundo

    Em Destaque

    Governo estima rombo de R$ 170,5 bi em 2022 e vê 11 anos de contas no vermelho

    No projeto que estabelece as diretrizes para o Orçamento de 2022, enviado ao Congresso nesta quinta-feira (15), o governo...

    Hering rejeita proposta de compra pela Arezzo

    A Hering decidiu, em reunião nesta quarta-feira, 14, negar a proposta feita pela Arezzo de combinar os negócios das...

    Magazine Luiza recebe aval do Cade para compra da Hub Prepaid

    O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da Hub Prepaid pelo Magazine Luiza, sem...

    Acordos de fusão e aquisição voltaram com força total no primeiro trimestre e atingiram recorde de US$ 1,1 trilhão com o apetite renovado de investidores após a desaceleração causada pela pandemia e negócios de empresas de cheque em branco.

    É o melhor começo de ano desde pelo menos 1998, segundo compilados pela Bloomberg.

    As fusões e aquisições dispararam em todas as regiões, onde a América do Norte liderou com US$ 644 bilhões em transações. Acordos de empresas europeias que fizeram aquisições aumentaram 41%, para US$ 286 bilhões, enquanto companhias na Ásia-Pacífico gastaram US$ 261 bilhões.

    “Não vejo esses níveis de atividade há muito tempo e não vejo uma desaceleração significativa tão cedo”, disse Alison Harding-Jones, responsável por fusões e aquisições para a Europa, Oriente Médio e África no Citigroup.

    “As ações estão muito valorizadas, os mercados financeiros são favoráveis e há dinheiro entrando de vários lugares.”Depois que as restrições da Covid-19 paralisaram assessores de acordos e ameaçaram as receitas dos setores no ano passado, o otimismo sobre os programas de vacinas e o crescimento econômico impulsionam o boom de 2021, disseram negociadores.

    O movimentado primeiro trimestre resultou em uma recuperação das fusões e aquisições que começou no final do ano passado.

    O que está falta? Os megacordos – aqueles gigantes de mais de US$ 50 bilhões que sacodem o mercado e atraem maior escrutínio de reguladores.

    Não há registro de transações acima dessa marca desde meados de 2019, segundo os dados, quando a AbbVie fechou um acordo para adquirir a fabricante de botox Allergan por cerca de US$ 63 bilhões. Mas isso não é necessariamente algo ruim, segundo banqueiros.

    “O número de negócios e o fluxo são um sinal de um mercado de F&A mais saudável, ao invés de apenas alguns grandes negócios aqui ou ali que estão distorcendo os dados”, disse Steven Baronoff, presidente de fusões e aquisições globais do Bank of America.

    Enquanto isso, as SPACs – ou empresas de aquisição de propósito específico – desempenham um papel descomunal nas negociações. As chamadas empresas de cheque em branco, que captaram US$ 85 bilhões por meio de ofertas públicas iniciais em 2020 e outros US$ 99 bilhões este ano, agora começam a colocar o capital em movimento.

    Fonte: Exame

    Serviços

    Últimas Notícias

    Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

    Em busca de dinheiro dos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a seu homólogo Joe Biden...

    IPO da Blau atrai fundos globais e companhia vale R$ 7,2 bi na largada

    A Blau Farmacêutica acaba de precificar seu IPO a R$ 40,14 por ação, dando ao mercado mais uma alternativa...

    Veja outras matérias