domingo, fevereiro 28, 2021
Outros

    Goldman, JPMorgan e Citi tentam acelerar vacinação em Nova York

    Em Destaque

    Desemprego na Covid supera o pior da mais longa recessão

    O número é até superior ao do pior momento do trabalho no Brasil até então, em 2017, que pegou...

    Por um caso de coronavírus, Nova Zelândia retoma quarentena em sua maior cidade

    A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, ordenou neste sábado que a maior cidade do país, Auckland, volte a...

    Tecnologia 5G estará disponível em todas as capitais até julho de 2022

    A tecnologia do 5G estará disponível em todas capitais brasileiras até julho de 2022. O edital para o leilão...

    Alguns dos maiores empregadores de Nova York estão pedindo que as autoridades locais permitam que colaborem na vacinação contra a Covid-19, argumentando que a lenta introdução do processo coloca a recuperação econômica do estado em risco.

    Goldman Sachs, JPMorgan Chase, Citigroup, KKR e dezenas de companhias participaram de uma teleconferência com o responsável estadual pela vacinação, Larry Schwartz, para oferecer seus serviços, de acordo com pessoas que estavam na conversa. As empresas ofereceram distribuição e logística, o que poderia ajudar a convencer o governo do presidente Joe Biden a aumentar a alocação de vacinas para Nova York.

    “Nossa economia não vai se recuperar e não seremos capazes de trazer as pessoas de volta ao escritório até haver boa penetração das vacinas”, afirmou o CEO do Goldman, David Solomon.

    Líderes de Wall Street, que têm trabalhado em torres praticamente vazias, se mostram cada vez mais preocupados com os atrasos contínuos que ameaçam o retorno à normalidade operacional.

    A cidade de Nova York precisou cancelar milhares de horários marcados e fechar temporariamente 15 postos comunitários de vacinação devido à escassez de vacinas e atrasos de distribuição.

    A cidade continua realizando a imunização, mas muitos hospitais e postos de vacinação pararam de oferecer novos horários para quem ainda vai tomar a primeira dose. Ainda há marcação de horários para receber a segunda dose.

    Wylde participou da teleconferência e disse em entrevista que o objetivo é colaborar para que a vacina chegue ao público, não apenas aos funcionários das empresas envolvidas.

    As companhias “sabem com o que os governos estaduais e locais estão lidando e estão apenas dizendo que têm conhecimento logístico, instalações médicas e pessoal capaz de acelerar a distribuição”, disse ela.

    Representantes do prefeito Bill de Blasio e do governador Andrew Cuomo não responderam imediatamente aos pedidos de comentário da reportagem.

    De Blasio alertou diversas vezes esta semana que a cidade estava perto de ficar sem vacinas.

    Segundo ele, cerca de 200.000 doses estão paradas porque a cidade está “sobrecarregada” com regras que a impedem a aplicação de segundas doses. As vacinas contra Covid-19 da Pfizer-BioNTech e da Moderna requerem duas doses por pessoa.

    Fonte: Exame

    Serviços

    Últimas Notícias

    Tecnologia 5G estará disponível em todas as capitais até julho de 2022

    A tecnologia do 5G estará disponível em todas capitais brasileiras até julho de 2022. O edital para o leilão...

    GetNinjas e Pif Paf engrossam a fila de futuros IPOs na bolsa brasileira

    Quatro novas empresas protocolaram pedido para abertura de capital junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta sexta-feira, 26,...

    Veja outras matérias