terça-feira, janeiro 26, 2021
Outros

    Governo libera o registro de 51 agrotóxicos genéricos e 5 inéditos para uso dos agricultores

    Em Destaque

    O que o day trade e as ações da GameStop revelam sobre a bolha

    O que uma rede de lojas físicas de games pode oferecer de retorno para o investidor em...

    Apple alerta sobre cuidados no uso do iPhone 12 por pessoas com marca-passo

    A Apple publicou nesta segunda-feira (25) uma página de suporte em português sobre os cuidados que pessoas...

    Apesar da pandemia, Globo bate meta de lucro em 2020

    Em comunicado enviado aos seus colaboradores, a TV Globo celebrou ter alcançado as metas de lucratividade em...

    O Ministério da Agricultura publicou nesta segunda-feira (11) a liberação de mais 56 agrotóxicos para o uso dos agricultores, 51 genéricos e 5 inéditos. A divulgação se refere aos últimos registros autorizados em 2020. Com isso, as novas liberações somaram 461 no ano(entenda mais abaixo).

    Do total, segundo o ministério,são 37 agrotóxicos químicos e 19 biológicos, que são aqueles que podem ser utilizados tanto em lavouras comerciais quanto na produção de alimentos orgânicos, por exemplo.

    Pela legislação brasileira, tanto produtos biológicos utilizados na agricultura orgânica quanto químicos utilizados na produção convencional são considerados agrotóxicos.

    Cinco agrotóxicos são inéditos. Quatro deles são formulados a partir do químico Tolfenpirade, que é, ao mesmo tempo, um inseticida e herbicida usado para o controle de pragas que sugam a seiva da planta.

    Já entre os produtos biológicos, o registro novo foi de um produto produzido com o agente Clonostachys rosea, um fungicida usado para combater a podridão-cinzenta que atinge as frutas, por exemplo.

    Registros no ano

    Ao todo, são 461 registros de novos agrotóxicos em 2020, segundo publicações no Diário Oficial da União,que é por onde o G1 se baseia. No ano, o governo já autorizou 462 produtos, mas um deles foi anulado.

    Desde 2005, quando o governo começou a compilar os dados de registro de pesticidas, 2020 perde apenas para 2019 – ano em que o país teve liberação recorde de agrotóxicos.

    Registro de agrotóxico em 2020. — Foto: Arte/G1
    Registro de agrotóxico em 2020. — Foto: Arte/G1

    Até agora, são 10 princípios ativos inéditos no ano: 5 pesticidas biológicos e 5 químicos.

    Os outros 451 registros são de genéricos, sendo:

    • 220 ingredientes químicos de agrotóxicos que são vendidos aos agricultores;
    • 90 pesticidas biológicos vendidos aos agricultores;
    • 141 princípios ativos para a indústria formular agrotóxicos.

    Novo método de divulgação

    Neste ano, o governo alterou o método para anunciar a liberação de agrotóxicos. Até 2019, o Ministério da Agricultura divulgava a aprovação dos pesticidas para a indústria e para os agricultores no mesmo ato dentro do “Diário Oficial da União”.

    A série histórica de registros, que apontou que 2019 como ano recorde de liberações, levava em conta a aprovação dos dois tipos de agrotóxicos: os que vão para indústria e os que vão para os agricultores.

    Em nota, o Ministério da Agricultura explicou que a publicação separada de produtos formulados (para os agricultores) e técnicos (para as indústrias) neste ano tem como objetivo “dar mais transparência sobre a finalidade de cada produto”.

    “Assim, será mais fácil para a sociedade identificar quais produtos efetivamente ficarão à disposição dos agricultores e quais terão a autorização apenas para uso industrial como componentes na fabricação dos defensivos agrícolas”, completou o ministério.

    Como funciona o registro

    O aval para um novo agrotóxico no país passa por 3 órgãos reguladores:

    • Anvisa, que avalia os riscos à saúde;
    • Ibama, que analisa os perigos ambientais;
    • Ministério da Agricultura, que analisa se ele é eficaz para matar pragas e doenças no campo. É a pasta que formaliza o registro, desde que o produto tenha sido aprovado por todos os órgãos.

    Tipos de registros de agrotóxicos:

    • Produto técnico: princípio ativo novo; não comercializado, vai na composição de produtos que serão vendidos.
    • Produto técnico equivalente: “cópias” de princípios ativos inéditos, que podem ser feitas quando caem as patentes e vão ser usadas na formulação de produtos comerciais. É comum as empresas registrarem um mesmo princípio ativo várias vezes, para poder fabricar venenos específicos para plantações diferentes, por exemplo;
    • Produto formulado: é o produto final, aquilo que chega para o agricultor;
    • Produto formulado equivalente: produto final “genérico”.

    Fonte: G1

    Serviços

    Profiting faz Road Show para captar 20 Milhões.

    O recurso será investido em empresas associadas visando crescimento em vendas e aumento de produção. O mercado de aquisições...

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Últimas Notícias

    O que o day trade e as ações da GameStop revelam sobre a bolha

    O que uma rede de lojas físicas de games pode oferecer de retorno para o investidor em...

    Apple alerta sobre cuidados no uso do iPhone 12 por pessoas com marca-passo

    A Apple publicou nesta segunda-feira (25) uma página de suporte em português sobre os cuidados que pessoas...

    Veja outras matérias