quinta-feira, outubro 22, 2020
Outros

    Governo pode compensar desoneração da folha com imposto sobre dividendos

    Em Destaque

    Diretora do BC reitera impacto de crise climática para política monetária

    Eventos climáticos extremos têm se tornado mais frequentes no mundo, com possibilidade de afetar as decisões da...

    Na 2ª alta seguida, arrecadação de impostos avança 1,97% em setembro e atinge R$ 119,8 bi

    A Receita Federal informou nesta quarta-feira (21) que a arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais...

    Recorde na B3: vendas de ações em 2020 já somam R$ 106 bilhões

    O ano de 2020 ainda nem terminou, é verdade. Mas, até os mais conservadores já podem se...

    Era para ser só um mini-pronunciamento com o objetivo de mostrar que o ministro da Economia e o líder do governo na Câmara estão trabalhando juntos, em pleno sábado, para criar alternativas na Reforma Tributária. Mas o líder do governo, Ricardo Barros (PP/PR), acabou revelando novidades na discussão, enquanto o ministro Paulo Guedes só assistia.

    O deputado acenou com a possibilidade de que uma possível desoneração da folha de pagamento seja compensada com impostos sobre dividendos, que hoje são isentos de tributação. “Se nós desoneramos impostos das empresas, para que elas paguem menos, podemos cobrar quando o empresário tira da empresa, que hoje não é cobrado.” Até então, a possibilidade aventada por Guedes era de usar o novo imposto digital, apelidado de nova CPMF pelo parlamento, para compensar uma possível perda de arrecadação com a desoneração da folha. Mas a chance de a nova CPMF ser aprovada pelo Congresso é bem pequena.

    O líder do governo deixou claro que qualquer proposta terá que ser costurada com o presidente Jair Bolsonaro e os líderes da base do governo no Congresso, antes de ser apresentada formalmente para votação. Ele disse que serão apresentadas alternativas de textos ao presidente, que irá escolher a que quer levar adiante. Outro ponto que está sendo discutido, segundo Barros, é como poderá ser feito um novo programa que possa substituir o auxílio emergencial que termina em dezembro.

    As propostas para substituição do auxílio emergencial feitas até agora pelo Ministério da Economia foram veementemente rejeitadas por Bolsonaro, que disse que não quer tirar dinheiro de pobre para dar para paupérrimos. Uma das possibilidades, para compensar orçamentos, era congelar os salários de aposentados e pensionistas o que levou a Bolsonaro a dizer que não ia mais ter Renda Brasil. Mas depois ele voltou atrás e agora estão se discutindo as opções.

    Fonte: Veja

    Serviços

    Investimento em Empresas

    O mercado de aquisições de empresas está bem ativo e atraente considerando dois aspectos: O Dólar alto e a SELIC baixa.

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Últimas Notícias

    Startup do Carrefour reduz desperdício e ajuda a economizar até R$ 2 mi

    O Cybercook poderia ser apenas mais um site de receitas. Mas, adquirido pela rede de supermercados Carrefour...

    O que está por trás das compras da Stone?

    Nos últimos anos, a Stone comprou diversas startups, como a Vitta, de planos de saúde, e a...

    Veja outras matérias