sexta-feira, abril 16, 2021
Outros

    Inflação para famílias de baixa renda acumula alta de 6,63% em 12 meses, aponta FGV

    Em Destaque

    Governo estima rombo de R$ 170,5 bi em 2022 e vê 11 anos de contas no vermelho

    No projeto que estabelece as diretrizes para o Orçamento de 2022, enviado ao Congresso nesta quinta-feira (15), o governo...

    Hering rejeita proposta de compra pela Arezzo

    A Hering decidiu, em reunião nesta quarta-feira, 14, negar a proposta feita pela Arezzo de combinar os negócios das...

    Magazine Luiza recebe aval do Cade para compra da Hub Prepaid

    O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da Hub Prepaid pelo Magazine Luiza, sem...

    O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) – que mede a variação de preços de produtos e serviços para famílias com renda entre um e 2,5 salários mínimos – subiu 0,82% em março e acumula alta de 6,63% nos últimos 12 meses, segundo dados divulgados nesta terça-feira (6) pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

    Em fevereiro, a alta tinha sido de 0,40%.

    Inflação da baixa renda - IPC-C1 — Foto: Economia G1

    Já o IPC-Br, que mede a variação de preços para famílias com renda de 1 a 33 salários mínimos mensais, registrou inflação de 1% em março. Em 12 meses, a taxa do indicador ficou em 6,10%, nível abaixo do registrado pelo IPC-C1.

    De acordo com a FGV, 5 oito classes de despesa componentes do índice de inflação da baixa renda registraram acréscimo em suas taxas de variação: Transportes (2,18% para 3,52%), Habitação (0,17% para 0,80%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,09% para 0,52%), Comunicação (-0,12% para -0,01%) e Despesas Diversas (0,26% para 0,30%).

    “Vale destacar o comportamento dos itens: gasolina (6,98% para 10,90%), tarifa de eletricidade residencial (-0,78% para 0,61%), artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,02% para 0,88%), mensalidade para internet (-0,87% para -0,25%) e cigarros (0,23% para 1,06%)”, salientou a FGV.

    https://98fb614f934fd4e906c51708681fae35.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

    Maiores pressões em março para as famílias mais pobres:

    • Gasolina: 10,9%
    • Gás de bujão: 4,07%
    • Etanol: 17,11%
    • Aluguel residencial 1,04%
    • Tarifa de eletricidade: 0,61%

    Por outro lado, houve queda nos preços dos grupos Educação, Leitura e Recreação (0,05% para -0,12%), Alimentação (-0,04% para -0,09%) e Vestuário (0,09% para 0,02%).

    A principal diferença entre o IPC-C1 e o IPC-Br está na ponderação da cesta de produtos e serviços para chegar ao indicador final. Para famílias mais pobres, por exemplo, alimentação costuma ter maior relevância e educação particular, menor, dentro do total de despesas.

    Fonte: G1

    Serviços

    Últimas Notícias

    Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

    Em busca de dinheiro dos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a seu homólogo Joe Biden...

    IPO da Blau atrai fundos globais e companhia vale R$ 7,2 bi na largada

    A Blau Farmacêutica acaba de precificar seu IPO a R$ 40,14 por ação, dando ao mercado mais uma alternativa...

    Veja outras matérias