quarta-feira, janeiro 20, 2021
Outros

    Maia cobra ‘posição clara’ do governo e cita urgência da reforma tributária

    Em Destaque

    CEO da fusão entre Fiat e Peugeot fala sobre a saída da Ford do Brasil

    O anúncio da Ford de fechar fábricas no Brasil repercutiu em todo o mercado automotivo. O português...

    Exportação de suco de laranja do Brasil cai 23,5% no 1° semestre da safra 2020/21

    As exportações de suco de laranja do Brasil atingiram 497.490 toneladas de julho a dezembro, primeiro semestre...

    Guedes aposta em vitória de Lira para reapresentar proposta de nova CPMF

    A proximidade das eleições para o comando da Câmara e do Senado, marcadas para 1.º de fevereiro,...

    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou, nesta segunda-feira (30), do governo federal uma posição mais clara sobre as pautas econômicas a serem discutidas até o fim do ano, enfatizando a urgência da reforma tributária. Para Maia, o Executivo errou ao não tratar desses temas durante o período eleitoral e ao não retomá-los agora, depois do segundo turno.

    “O governo deveria ter começado o dia com uma coletiva para falar qual é a pauta em que se tem interesse para os próximos dois meses. É inevitável que o Congresso trabalhe em janeiro”, admitiu o deputado em participação no UOL Entrevista. “O governo, que não quis enfrentar esses desafios durante o processo eleitoral… Acho que foi um equívoco. Senti falta na manhã de hoje de uma posição mais clara e objetiva [sobre as pautas econômicas].”

    Maia também criticou o fato de não saber qual projeto de reforma tributária o governo federal vai defender no Congresso. Esse posicionamento é importante, segundo o presidente da Câmara, para que deputados e senadores comecem a discutir o tema, como aconteceu com a reforma da Previdência.

    “Está todo mundo esperando para saber qual será a política fiscal daqui para frente”, cobrou Maia, acrescentando que os próximos dois ou três meses é que vão definir não apenas o futuro próximo do país, mas também a eleição de 2022.

    “Acho que o que foi construído desde 2016 gerou as condições para as taxas de juros chegarem onde chegaram, mas [isso] precisa ser reafirmado ou não. É isso que a gente precisa saber por parte do governo. Lembrando que a partir de janeiro não teremos a emenda da PEC [Proposta de Emenda a Constituição] da Guerra, que flexibilizava as regras de ouro. A partir de janeiro, tudo isso volta a valer, e qualquer decisão do governo terá uma complexidade diferente do que teve até agora”, completou.

    Fonte: Folha

    Serviços

    Profiting faz Road Show para captar 20 Milhões.

    O recurso será investido em empresas associadas visando crescimento em vendas e aumento de produção. O mercado de aquisições...

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Últimas Notícias

    CEO da fusão entre Fiat e Peugeot fala sobre a saída da Ford do Brasil

    O anúncio da Ford de fechar fábricas no Brasil repercutiu em todo o mercado automotivo. O português...

    Iguá bate o martelo e troca IPO por investimento de R$ 1,1 bi do CPP

    A Iguá Saneamento já bateu o martelo. Nesse momento, vai embarcar na finalização de uma transação para...

    Veja outras matérias