quinta-feira, maio 6, 2021
Outros

    Méliuz compra Acesso Bank e dobra aposta em serviços financeiros

    Em Destaque

    Banco Central eleva Selic em 0,75 p.p., para 3,5% ao ano, e sinaliza mais uma alta na mesma magnitude

    O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu nesta quarta-feira (5) elevar a Selic em 0,75 ponto percentual, para 3,50%...

    “Há muitos Mercados Livres para nascer na AL”, diz Nicolas Szekasy, do Kaszek

    Quando os argentinos Nicolas Szekasy e Hernan Kazah deixaram o Mercado Livre, empresa que tinham cofundado, para criar a...

    Bradesco espera perder receita com Pix e WhatsApp Pay, mas tem substituto

    A chegada da ferramenta de transferências de dinheiro via WhatsApp , assim como o Pix , vai 'morder' um pedaço da...

    O Méliuz acaba de anunciar a aquisição de 100% da fintech Acesso Bank — o maior movimento da companhia de cashback para entrar em serviços financeiros.

    O Méliuz está pagando R$ 324 milhões pela companhia numa transação que envolve apenas troca de ações. Os acionistas da Acesso ficarão com cerca de 8% do Méliuz, que fechou sexta-feira valendo R$ 4,1 bilhões na B3.

    A aquisição — que aumenta significativamente o mercado endereçável do Méliuz — dá a seus 16 milhões de usuários uma conta digital completa que vai servir de plataforma para a entrada em outros serviços financeiros (de empréstimos e investimentos até seguros).

    Após a operação, a marca Acesso vai deixar de existir, e a empresa se tornará uma subsidiária do Méliuz. O CEO Davi Holanda será o diretor dessa nova vertical de serviços financeiros, que vai cuidar também da operação de cartão de crédito do Méliuz — criada em meados do ano passado em parceria com o Banco Pan e que já teve mais de 4,1 milhões de solicitações (cerca de 20% foram aceitas).

    “Já existem vários wallets e bancos digitais mas a maioria deles ‘peca’ muito no engajamento,” Israel Salmen, o fundador e CEO do Méliuz, disse ao Brazil Journal. “A gente já começa com essa vantagem: conseguimos engajar muito bem nossa base. Além disso, temos o que muitas wallets não tem, que é o ‘cash in’, que vem do nosso cashback.”

    Na prática, o Méliuz está fazendo o caminho oposto do Banco Inter, que começou com serviços financeiros e depois lançou sua plataforma própria de cashback.

    Fundada em 2013, a Acesso começou operando apenas um cartão pré-pago, então vendido em supermercados. Cinco anos depois, com a chegada de Davi — que antes trabalhou na PagSeguro, onde foi o responsável pela entrada no mercado de maquininhas — a empresa criou seu banco digital e o Bankly, um serviço de banking as a service.

    Os principais acionistas da Acesso são o fundo de venture capital InvestTech, o CEO Davi Holanda, a família Heilberg (dos fundadores da HIX Capital), além de Sérgio Kulikovsky, que fundou a empresa.

    Outros investidores incluem Luis Stuhlberger, o fundador do Verde; Pino Marco Di Segni, um ex-executivo da Hedging-Griffo e hoje sócio da GEO Capital; e Paulo Lemann.

    A Acesso teve um TPV de R$ 1,3 bilhão apenas em março. No ano passado, teve uma receita bruta de R$ 53 milhões em suas duas linhas de negócio.

    A transação vem dois meses depois do Méliuz pagar R$ 120 milhões por 51% da Picodi, no que Israel chamou de um “M&A mais importante que o IPO”, e seis meses depois do IPO da empresa — que injetou mais de R$ 300 milhões no caixa.

    Desde a listagem na Bolsa, a ação multiplicou por mais de 3x.

    Fonte: Brazil Journal

    Serviços

    Últimas Notícias

    Xiaomi traz ao Brasil seu 30º smartphone em dois anos

    A chinesa Xiaomi traz ao Brasil a partir de hoje dois novos smartphones chamados Redmi Note 10 Pro e...

    Marcas europeias ameaçam boicotar produtos do Brasil devido a política ambiental

    O Projeto de Lei (PL) 510/21, que altera regras de regularização fundiária em terras da União e do Incra...

    Veja outras matérias