sábado, outubro 24, 2020
Outros

    Metade dos brasileiros cortou gastos com alimentos

    Em Destaque

    Desemprego diante da pandemia bate recorde no Brasil em setembro, aponta IBGE

    O desemprego diante da pandemia do novo coronavírus bateu recorde em setembro, apontam os dados divulgados nesta...

    Arezzo anuncia compra de rede de moda Reserva em operação de R$ 715 milhões

    A Arezzo anunciou nesta sexta-feira (23) que seu conselho de administração aprovou acordo de combinação de negócios...

    Governo anunciará 2 mil simplificações trabalhistas, diz Guedes

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o governo anunciará em “uma ou duas semanas” a...

    A inflação dos alimentos, que chegou a 8,83% em agosto, em comparação aos 12 meses anteriores, vêm impactando diretamente os gastos das famílias. Cerca de 66% dos brasileiros já começaram a reduzir despesas com atividades de lazer. Outros 57% cortaram os gastos com salões de beleza e restaurantes.

    É o que revela uma pesquisa inédita EXAME/IDEIA, projeto que une Exame Research, braço de análise de investimentos da EXAME, e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública.

    O levantamento também mostra que metade dos brasileiros está tendo que cortar despesas na carne – 49% trocaram alimentos e itens de primeira necessidade por similares mais baratos. “Quando chega a esse ponto, é um sinal de que a economia não vai muito bem”, diz Maurício Moura, fundador do IDEA. “As pessoas estão sentindo fortemente a alta dos preços e já estão readequando seus orçamentos”.

    O levantamento foi realizado entre os dias 21 e 24 setembro com 1.200 pessoas, por telefone, em todas as regiões do país. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

    O aumento dos preços do arroz, que subiu quase 20% no ano, e de outros componentes essenciais da cesta básica, como o feijão e o óleo, com altas de mais de 12% e 18%, respectivamente, tornou-se um sério fator de preocupação para os brasileiros.

    Mais da metade dos entrevistados (55%) acredita que a inflação dos insumos básicos continuará aumentado. “O consumidor vai ao mercado e comprova, dia após dia, esses aumentos”, diz Moura. “Por isso, a percepção é de que a inflação deverá continuar crescendo”.

    EXAME/IDEIA também perguntou a quem se deve atribuir o aumento dos preços – 41% responsabilizam a política econômica do governo federal. Só 11% culpam os donos de supermercados e redes de alimentos.

    Não foi só o arroz. O feijão e o óleo também tiveram seus preços remarcados. O tomate ficou 12% mais caro. Hoje, também é preciso pagar 7% a mais pelos ovos e frangos, em comparação aos últimos 12 meses.

    Com as refeições consideravelmente mais caras, 72% dos brasileiros acreditam que o custo de vida teve um aumento superior aos índices de inflação divulgados pelo governo.

    O baque tem sido sentido principalmente pela população mais pobre. Cerca de 70% das pessoas que ganham até um salário mínimo precisaram diminuir as compras de alimentos e 35% tiveram que reduzir os gastos com transporte.

    A maioria (73%) da população que se encontra nessa faixa de renda também cortou as compras de roupas e sapatos. Mesmo entre 46% dos brasileiros que ganham do que cinco salários mínimos, esse tipo de despesa ficou no passado.

    “É um dado preocupante, porque a redução do consumo pode levar a uma piora do nível de emprego”, diz Moura. “Os dados mostram que setores importantes da economia, como o de serviços e a indústria, podem ser afetados”

    Entre os mais pobres, 36% tiveram que reduzir custos com as contas de celular e internet. Outros 24% diminuíram os investimentos em educação.

    As decisões sobre cortes no orçamento também variam conforme a região do país e a renda das famílias. No Sul, 75% dos moradores optaram por reduzir despesas com lazer e turismo. Entre as pessoas que tiveram que trocar os alimentos que estavam acostumadas por outros mais baratos, a maioria (58%) se encontra no centro-oeste e nordeste (49%).

    “Esses indicadores impactam diretamente a aprovação do governo e os índices de confiança dos consumidores”, diz Moura. “O brasileiro já está precisando reduzir investimentos importantes, o que não é um bom sinal”.

    Fonte: Exame

    Serviços

    Investimento em Empresas

    O mercado de aquisições de empresas está bem ativo e atraente considerando dois aspectos: O Dólar alto e a SELIC baixa.

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Últimas Notícias

    Economia repassará R$ 60 mi para Meio Ambiente combater queimadas

    O Ministério da Economia informou hoje (23) que repassará R$ 60 milhões para o Ministério de Meio...

    Streaming da Amazon cresce mais do que a Netflix, diz pesquisa

    O Amazon Prime Video foi o serviço que mais cresceu durante a pandemia do novo coronavírus. Ao...

    Veja outras matérias