quarta-feira, julho 15, 2020
Outros

    Movida aposta em vendas de automóveis pela internet

    Em Destaque

    Eneva tem nova proposta pela AES Tietê em disputa que balança o mercado

    Uma disputa no setor elétrico está balançando o segmento de energia e sendo acompanhado de perto por...

    Fábricas deixam a Argentina e migram para o Brasil

    Ao menos três empresas do setor automotivo anunciaram, nas últimas duas semanas, o fechamento de fábricas na...

    Agora vai? Os movimentos de Guedes para encampar a reforma tributária

    Há mais de um ano o país se prepara para receber a proposta de reforma tributária do...

    Pandemia faz aluguel de carros cair

    Sem viagens e com a circulação de pessoas reduzida, o mercado de aluguel de veículos é outro que vem sofrendo durante a pandemia. Prova disso é que, na última sexta-feira (22), a gigante do setor Hertz pediu proteção contra falência nos Estados Unidos. Por aqui, também houve queda na demanda e no faturamento.

    No momento mais agudo da crise, as ações das três gigantes do setor, Localiza, Movida e Unidas, chegaram a cair 60% entre o final de fevereiro e meados de março. Agora começam a se reerguer mas ainda estão longe dos números pré-crise. Apesar disso, Renato Franklin, CEO da Movida, garante em entrevista ao CNN Brasil Business que o mercado local se comporta de maneira diferente.

    “Aqui as empresas da área possuem um portfólio mais completo. É certo que houve queda nas viagens e no aluguel corporativo nos aeroportos, mas também tocamos aluguel mensal e planos de assinatura, enquanto que em outros países isso é comandado por bancos e corretoras”, explica. Segundo dados preliminares de abril divulgados pela companhia, houve 26,4% de queda no número de aluguel de veículos em comparação com o primeiro trimestre de 2020.

    O setor de gestão de frotas, por outro lado, caiu menos, a 2,5%, enquanto a venda de veículos seminovos, outra área importante de receita para as empresas, reduziu 25,7%. Apesar disso, Franklin acredita que isso adiantou uma transformação digital na Movida. “Era algo para o futuro que conseguimos colocar no ar no final de março e deu ótimos resultados em abril. Já vendemos 3,5 mil carros em jornada 100% digital, entregando na casa do cliente”, argumenta.

    Para os motoristas de aplicativo, que utilizam planos de assinatura e ensaiaram um movimento de devolução de carros em massa, a Movida criou planos em que os clientes só pagam o que utilizarem.

    “Para esse segmento, pensamos em modalidades pay-per-use, ou seja, o motorista só paga a quilometragem que usar. Se o carro ficar parado na garagem, paga uma taxa bem pequena”, explica. Locadoras de menor porte chegam a cobrar R$ 10 por semana, com limite de utilização de 50 quilômetros.

    Apontando para o futuro, Franklin vê a companhia com governança sólida para suportar a crise e enxerga nichos de atuação para atuar durante o período.

    “Somos a empresa menos alavancada do setor, com caixa de mais de R$ 1 bilhão. Fizemos um lançamento de caixa conservador em abril porque imaginamos que vamos ter queda na rentabilidade no curto prazo”, diz. “As viagens, quando voltarem, vão ser primeiro de curta distância e carro. E, como, somente 3% das pessoas habilitadas no Brasil já alugaram carro, o mercado tem muito para crescer.”

    Resultados do primeiro trimestre

    A Movida teve, no primeiro trimestre de 2020, receita líquida de R$ 1 bilhão, uma alta de 19,6% em comparação aos resultados do mesmo período do ano passado. A alta foi acima da média das suas duas principais concorrentes, Localiza e Unidas. Esses números, no entanto, mascaram uma realidade que a empresa e todo o setor estão enfrentando desde meados de março.

    Prova disso é a parcial que a companhia comandada por Franklin soltou no mês de abril. Apesar de serem números ainda não auditados, a companhia viu uma redução de 35% no setor de serviços (que contempla tanto o aluguel de carros quanto a terceirização de frotas) e 27% na venda de seminovas.

    Outros números da concorrência também chamam a atenção dos investidores. A Localiza passou de uma taxa de utilização de 78,2% dos seus carros disponíveis para aluguel para 53%, ou seja, quase metade dos carros ficaram parados. Resultado parecido ao da Unidas, que viu a taxa cair de 76,8% para 55,9%.

    Analista de investimento da Mirae Asset, Pedro Galdi considera que o setor pode demorar um pouco mais para observar uma retomada, já que parte dos seus negócios estão atrelados ao setor aéreo. Apesar disso, considera ser uma boa aposta para o longo prazo. “O setor funciona com duas torneiras. Quando o aluguel não está bom, a venda de seminovos ajuda”, diz.

    “Também poderemos observar, depois da pandemia, uma mudança no perfil de consumo. Não sabemos se as pessoas vão continuar comprando carro. Transporte público também é arriscado. A partir disso, o aluguel de carros pode se tornar uma opção”, completa.

    Relatórios de bancos veem a Movida em boa posição para superar a pandemia por conta do crescimento na venda de veículos online e o caixa confortável de R$ 1,1 bilhão.

    O mercado, no entanto, não está dos mais amigáveis. Nos Estados Unidos, por exemplo, a locadora Hertz, uma das gigantes do segmento, já pediu proteção contra falência. O risco, portanto, continua sendo o tempo que a pandemia continuará afetando o setor – e o bolso dos seus consumidores. 

    Fonte: https://www.cnnbrasil.com.br/business/2020/05/25/ja-vendemos-3500-carros-pela-internet-diz-renato-franklin-ceo-da-movida

    Serviços

    Buscamos Sócios Empreendedores

    Estamos selecionando empreendedores, em âmbito nacional,  que possuam negócios que precisam ser profissionalizados ou re-estruturados. Os segmentos a seguir...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Pré Auditoria

    A Profiting, utiliza o serviço de Pré Diligência, como procedimento básico para qualquer negociação de venda de uma empresa cliente. Com foco...

    Últimas Notícias

    Retomada da medição da Enel aumenta conta de luz em até 100%

    A retomada da medição presencial de luz feita pela distribuidora de energia elétrica Enel São Paulo elevou...

    Padtec se prepara para captar recursos na Bolsa

    A Padtec concluiu a última etapa do processo de incorporação de suas ações pela Padtec Holding, antiga...

    Veja outras matérias