quinta-feira, dezembro 3, 2020
Outros

    Na 2ª alta seguida, arrecadação de impostos avança 1,97% em setembro e atinge R$ 119,8 bi

    Em Destaque

    Plano nacional de imunização só sai depois da vacina aprovada pela Anvisa

    O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, disse nesta terça-feira, 1, que...

    Bolsonaro justifica alta na conta de luz com nível de represas e risco de apagões

    Ao justificar o aumento na conta de luz, o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou via redes...

    Ricos precisam pagar mais imposto para desigualdade cair, diz estudo

    As propostas da equipe econômica do governo Jair Bolsonaro (sem partido) para criar um novo programa social...

    A Receita Federal informou nesta quarta-feira (21) que a arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais registrou aumento real (descontada a inflação) de 1,97% em setembro na comparação com o mesmo mês de 2019. Ao todo, a arrecadação somou R$ 119,825 bilhões.

    De acordo com dados da Receita, o resultado de setembro deste ano representa o segundo mês seguido com crescimento real (considerando a inflação) da arrecadação na comparação com o mesmo período do ano anterior. Em agosto, as receitas já tinham avançado 1,33%.

    Os números oficiais também mostram que o resultado de setembro deste ano foi o maior para o mês desde 2014 — quando somou R$ 122,554 bilhões. Os valores foram corrigidos pela inflação.

    De acordo com a Receita Federal, o resultado de setembro deste ano foi influenciado pela arrecadação extraordinária de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social Sobre Lucro Líquido (CSLL), no valor de aproximadamente R$ 2,5 bilhões.

    Além disso, também foi registrado aumento real de 78% nos ganhos de capital na venda de bens e no Imposto de Renda de Pessoa Física.

    Com a alta de quase 4% nas vendas do comércio, a Receita Federal informou que também cresceu a arrecadação do PIS/Cofins. A alta foi de 1,63%, com receita de R$ 27,322 bilhões.

    Por outro lado, a arrecadação foi impactada negativamente pelo crescimento de 38,9% dos valores compensados pelas empresas, na comparação com o mesmo mês de 2019. O IOF zerado nas operações de crédito também prejudicou o resultado do governo.

    Claudemir Malaquias, chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, avaliou que a arrecadação cresceu em setembro em linha com o aumento da atividade econômica. Isso porque, no mês, não houve entrada de receitas de impostos postergados por conta da Covid-19.

    “A trajetória verificada até agora sinaliza retomada da atividade econômica. E cada setor tem um comportamento. Serviços estão crescendo. Varejo também crescente, embora menor, e a indústria com recuperação. A gente espera manter essa mesma trajetória até o final do ano. Quando vamos chegar no patamar pré-crise, não é possível saber, mas esperamos que em um breve espaço [de tempo]”, disse.

    Parcial do ano

    No acumulado dos nove primeiros meses deste ano, ainda de acordo com a Receita Federal, a arrecadação somou R$ 1,026 trilhão, com queda real de 11,70% na comparação com o mesmo período do ano passado (R$ 1,129 trilhão).

    Em valores corrigidos pela inflação, a arrecadação deste ano somou R$ 1,035 trilhão. Segundo o órgão, esse foi o pior resultado para o período desde 2010, quando o resultado somou R$ 1,023 trilhão. Os valores foram corrigidos pela inflação.

    De acordo com a Receita Federal, a arrecadação do ano foi influenciada pelos “diferimentos” (postergações) no pagamento de tributos realizadas nos últimos meses que ainda não ingressaram nos cofres públicos, previstas para ingressarem até o fim do ano. O cálculo do órgão é que há, aproximadamente, R$ 64,5 bilhões em tributos atrasados.

    No acumulado dos nove primeiros meses do ano, as compensações tributárias, que reduziram a arrecadação no período, totalizaram R$ 108,325 bilhões, contra R$ 50,564 bilhões em igual período do ano passado — uma alta de R$ 37,761 bilhões.

    Impostos e pandemia

    Confira abaixo as principais mudanças motivadas pela pandemia de Covid-19 na incidência e no recolhimento dos tributos:

    • Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF): no começo de abril, governo anunciou a redução para zero, por 90 dias, do tributo incidente sobre operações de crédito, mas depois o benefício foi prorrogado até 20 de outubro. A alíquota original era de 3% ao ano. A expectativa inicial era de uma renúncia de arrecadação de R$ 7 bilhões com a medida, mas o valor será maior com a extensão do prazo.
    • Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI): governo federal zerou até 30 de setembro as alíquotas do IPI sobre artigos de laboratório ou de farmácia, luvas, termômetros clínicos e outros produtos utilizados na prevenção e tratamento do coronavírus. A renúncia fiscal dessa medida é de cerca de R$ 550 milhões.
    • PIS/Pasep, Cofins e contribuição previdenciária patronal: governo adiou o pagamento de empresas e empregadores de trabalhadores domésticos. O vencimento de abril e maio, relativo às competências de março e abril, passou para agosto e outubro.
    • Tributos sobre zinco: governo instituiu, no começo de abril, alíquota zero (temporária) de Pis/Pasep e Cofins, no mercado interno e na importação, do sulfato de zinco para medicamentos até 30 de setembro. Renúncia fiscal da medida é estimada em R$ 566 milhões.
    • Contribuição ao Sistema S: Medida Provisória publicada no fim de março reduziu pela metade a contribuição obrigatória das empresas ao Sistema S por 3 meses com o objetivo de diminuir os custos para o empregador.
    • Parcelamentos tributários: o governo prorrogou, em meados de maio, as prestações dos parcelamentos administrados pela Secretaria da Receita Federal e pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) com vencimento em maio, junho e julho de 2020. Estão incluídos nesses parcelamentos as dívidas das empresas com o governo, incluindo estados e municípios, inscritas ou não na dívida ativa.
    • FGTS: foi autorizado o adiamento e pagamento parcelado do depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) dos trabalhadores. O pagamento pôde ser feito só a partir de julho, em 6 parcelas fixas. Todos os empregadores, inclusive o empregador de trabalhador doméstico, poderão se beneficiar da medida.
    • Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF): postergação, por 60 dias, da entrega da declaração do IRPF, assim como do recolhimento do imposto e demais créditos tributários.

    Fonte: G1

    Serviços

    Novety surfa na onda do aumento do consumo de cosméticos durante a pandemia e cresce com revendedoras e e-commerce

    O mercado de beleza e cosméticos no Brasil movimentou mais de US$ 30 bilhões no último ano e foi um dos poucos...

    Startup desenvolve pomadas cicatrizantes para psoríase e dermatites e agora busca licenciar fórmula para laboratórios e grandes redes de farmácia

    Mecânico e professor universitário desenvolveram projeto em Viçosa.Com dívidas, parceiros quase desistiram, mas atraíram investidores. Popularmente conhecido como um...

    Profiting faz Road Show para captar 20 Milhões.

    O recurso será investido em empresas associadas visando crescimento em vendas e aumento de produção. O mercado de aquisições...

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Últimas Notícias

    Novety surfa na onda do aumento do consumo de cosméticos durante a pandemia e cresce com revendedoras e e-commerce

    O mercado de beleza e cosméticos no Brasil movimentou mais de US$ 30 bilhões no último ano...

    Startup desenvolve pomadas cicatrizantes para psoríase e dermatites e agora busca licenciar fórmula para laboratórios e grandes redes de farmácia

    Mecânico e professor universitário desenvolveram projeto em Viçosa.Com dívidas, parceiros quase desistiram, mas atraíram investidores.

    Veja outras matérias