quinta-feira, maio 6, 2021
Outros

    No final da recuperação, crescimento em “V” foi atenuado, diz presidente do BC

    Em Destaque

    Banco Central eleva Selic em 0,75 p.p., para 3,5% ao ano, e sinaliza mais uma alta na mesma magnitude

    O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu nesta quarta-feira (5) elevar a Selic em 0,75 ponto percentual, para 3,50%...

    “Há muitos Mercados Livres para nascer na AL”, diz Nicolas Szekasy, do Kaszek

    Quando os argentinos Nicolas Szekasy e Hernan Kazah deixaram o Mercado Livre, empresa que tinham cofundado, para criar a...

    Bradesco espera perder receita com Pix e WhatsApp Pay, mas tem substituto

    A chegada da ferramenta de transferências de dinheiro via WhatsApp , assim como o Pix , vai 'morder' um pedaço da...

    O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, repetiu nesta quinta-feira, 15, que a economia brasileira teve formato de recuperação muito parecido com um “V”, mas ponderou que a segunda onda da pandemia de covid-19 atenuou o formato desse “V”.

    “Os dados da ponta de energia elétrica, veículos e cartão de crédito mostram uma queda bem menor do que a registrada na primeira onda. Há uma surpresa positiva sobre a resiliência da economia. A gente entende que a partir do segundo semestre o setor de serviços vai melhorar também”, afirmou, na abertura do evento virtual “Fintouch – Desafios das Fintechs 21/22”, organizado pela ABFintechs.

    Campos Neto lembrou que a inflação em 12 meses deve alcançar um pico ao longo do ano por um efeito de estatística, com a substituição dos níveis baixos de 2020. “Grande parte do delta de inflação se deve aos preços das commodities e isso é um fenômeno mundial”, completou.

    O presidente do BC repetiu que a instituição iniciou um processo de alta de juros porque viu as expectativas de inflação em alta, já ameaçando contaminar o índice de 2022. “Se fizermos mais (alta de juros), evitamos de forma mais eficiente essa contaminação da inflação, que é temporária”, reafirmou.

    Campos Neto citou ainda as revisões do BC e do mercado nas projeções para as contas externas, com melhora nas estimativas de superávit na balança comercial de 2021.

    Segunda onda de covid-19

    O presidente do Banco Central repetiu também que a segunda onda da pandemia de covid-19 no Brasil teve um volume de óbitos mais elevado devido à nova variante do vírus. Ele reforçou, no entanto, que o Brasil está avançando na vacinação, o que deve reduzir o número de mortes, a exemplo do que ocorre em outros países.

    “O mundo vacinou 10% da população, com destaque para os Estados Unidos, e o Brasil tem avançado. A vacinação é a variável mais importante no curto prazo para determinar a reabertura da economia. E as perspectivas das pessoas e a expectativa para o futuro acabam se incorporando no presente”, afirmou Campos Neto. “A vacinação começou realmente a ganhar uma velocidade maior”, disse, destacando que no segundo semestre, o País estará em situação de reabertura da economia

    Segundo Campos Neto, diversos países têm muito mais vacinas contratadas do que é necessário para suas populações se imunizarem. “Em algum momento do processo de vacinação, haverá uma sobra grande que será redistribuída. Temos expectativa de que isso ocorra com as doses que estão sobrando nos EUA”, completou.

    EUA e cenário

    O presidente do Banco Central avaliou que o pacote de US$ 1,9 trilhão do governo americano faz com que o hiato do produto nos Estados Unidos fique “substancialmente” positivo. “Os EUA têm tido revisões contínuas de crescimento para cima. Os números têm saído fortes e há uma narrativa de que isso pode precificar o início de um processo inflacionário no mundo, ainda que embrionário”, afirmou.

    Segundo Campos Neto, o Brasil foi o país que teve recuperação de PMI mais rápida no segundo semestre de 2020, mas ponderou que já houve uma queda recente relacionada à segunda onda da pandemia de covid-19. “O que vemos na ponta é que a economia brasileira se mostra bastante resiliente”, completou.

    Mais uma vez, o presidente do BC afirmou que a inflação de alimentos no mundo tem rodado acima do padrão, com destaque pra Brasil e Turquia. “No mundo emergente, inflação de alimentos é mais importante, tem um peso maior. Então os emergentes terão política de juros diferente do mundo desenvolvido”, acrescentou.

    Campos Neto lembrou que o Brasil é um dos países mais endividados do mundo. “Os gastos durante a pandemia foram necessários, mas no fim do processo o País está em uma condição mais frágil e precisa mostrar uma dinâmica fiscal melhor”, concluiu.

    Estadão Conteúdo

    Serviços

    Últimas Notícias

    Xiaomi traz ao Brasil seu 30º smartphone em dois anos

    A chinesa Xiaomi traz ao Brasil a partir de hoje dois novos smartphones chamados Redmi Note 10 Pro e...

    Marcas europeias ameaçam boicotar produtos do Brasil devido a política ambiental

    O Projeto de Lei (PL) 510/21, que altera regras de regularização fundiária em terras da União e do Incra...

    Veja outras matérias