sexta-feira, abril 16, 2021
Outros

    No Méliuz, um M&A “mais importante que o IPO”

    Em Destaque

    Governo estima rombo de R$ 170,5 bi em 2022 e vê 11 anos de contas no vermelho

    No projeto que estabelece as diretrizes para o Orçamento de 2022, enviado ao Congresso nesta quinta-feira (15), o governo...

    Hering rejeita proposta de compra pela Arezzo

    A Hering decidiu, em reunião nesta quarta-feira, 14, negar a proposta feita pela Arezzo de combinar os negócios das...

    Magazine Luiza recebe aval do Cade para compra da Hub Prepaid

    O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da Hub Prepaid pelo Magazine Luiza, sem...

    O Méliuz está comprando o site de cupons de desconto Picodi — sua primeira aquisição desde o IPO e uma transação que aumenta em mais de 30% a receita da empresa.

    O Méliuz, um pure play de cashback, pagou R$ 120 milhões em dinheiro por 51,2% da Picodi.

    A empresa também negociou uma opção de compra do restante do capital. Esta ‘call option’ — que poderá ser exercida nos próximos três a quatro anos — é vinculada a métricas de novos usuários ativos: se a Picodi bater as metas, o Méliuz pagará o mesmo valor da aquisição de hoje pelos 48,8% restantes. Caso não atinja essas metas, o valor será menor, podendo chegar a zero.

    Com sede na Cracóvia, uma cidade no sul da Polônia, a Picodi opera em 44 países e tem mais de 4 milhões de usuários únicos por mês.

    A empresa faturou R$ 31 milhões de dezembro de 2019 a novembro de 2020 e “é um business gerador de caixa, com boas margens e sem nenhuma dívida”, Israel Salmen, o fundador e CEO do Méliuz, disse ao Brazil Journal.

    Segundo ele, o grande potencial de criação de valor está em aumentar a recorrência de compra dos usuários da Picodi. Enquanto os usuários do Méliuz fazem 7 compras por ano na plataforma, os da Picodi fazem “um número sensivelmente menor”. Isso acontece porque a Picodi ainda não oferece cashback, apenas cupons de desconto.

    “O tráfego do Picodi é muito qualificado, mas os usuários não criam um relacionamento de longo prazo com a marca,” disse o fundador. “Quando o cashback é oferecido com uma boa comunicação, eles começam a voltar com muito mais frequência. Queremos repetir lá o mesmo playbook que fizemos no Brasil.”

    Israel disse que o Méliuz está em conversas com outras empresas e deve anunciar novos M&As — mas provavelmente menores que o de hoje.

    A aquisição vem num momento em que o Méliuz executa uma estratégia de entrar também em serviços financeiros. No ano passado, a empresa lançou um cartão de crédito que já recebeu mais de 3 milhões de solicitações (cerca de 20% foram aceitas), e o plano é passar a oferecer também empréstimo pessoal, crédito consignado e seguros.

    As comparações com o modelo do Banco Inter são inevitáveis. Sobre isso, Israel diz que “os neobanks começaram a jornada oferecendo produtos financeiros e depois foram diversificando até chegar no marketplace. A gente está traçando o caminho oposto.”

    O Méliuz já tem mais de 14 milhões de usuários cadastrados, dos quais 5,3 milhões são ativos (na definição do Méliuz, qualquer cliente que gerou receita para o site ou indicou alguém nos últimos 12 meses). Segundo Israel, o Méliuz está abrindo uma média de 30 mil novas contas por dia.

    A compra da Picodi vem quatro meses depois do IPO do Méliuz, que estreou na Bolsa a R$ 10 e hoje negocia a R$ 28,20.

    A companhia vale R$ 3,5 bilhões na B3.

    A ação chegou a subir mais de 9% após a notícia, mas fechou com alta de 4,1%.

    Entre indas e vindas, as conversas entre Méliuz e Picodi se desenrolam desde 2017. Mas com o IPO — que injetou mais de R$ 300 milhões no caixa do Méliuz — Israel conseguiu ‘pull the trigger’.

    “Como empreendedor, esse movimento é mais marcante pra mim do que o próprio IPO. Começamos esse negócio minúsculo num apartamento em Belo Horizonte e desde o primeiro dia tínhamos esse plano de internacionalizar…,” disse ele. “Materializar esse plano é difícil até de colocar em palavras. É o dia mais feliz pra mim dentro do Méliuz.”

    O Méliuz foi assessorada no Brasil pelo FM/Derraik (Fabiana Fagundes e Gustavo Dalcolmo) e na Polônia pelo Rymarz ZDort (Pawel Zdort).

    Fonte: Brazil Journal

    Serviços

    Últimas Notícias

    Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

    Em busca de dinheiro dos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a seu homólogo Joe Biden...

    IPO da Blau atrai fundos globais e companhia vale R$ 7,2 bi na largada

    A Blau Farmacêutica acaba de precificar seu IPO a R$ 40,14 por ação, dando ao mercado mais uma alternativa...

    Veja outras matérias