quarta-feira, janeiro 19, 2022
Outros

    O próximo craque do Atlético Mineiro vai ser escolhido por um robô

    Em Destaque

    No último ano, um jovem do grupo de base do Atlético Mineiro realizou o impossível: ele saiu do grupo de atletas que seriam cortados e se tornou um goleador que levou seu time à vitória no campeonato sub-15 realizado no Nordeste.

    Parece a trajetória de um herói de filme, mas foi um dos resultados de sucesso da implementação de uma ferramenta de inteligência artificial no treinamento dos jogadores entre 14 e 20 anos do Galo.

    A Speck Champs, solução criada pela empresa Kukac sob medida para o clube, utiliza a tecnologia do Watson da IBM e foi reconhecida como um dos usos mais inovadores dessa tecnologia pela empresa. A empresa de Belo Horizonte, criada em 2016, é uma referência em soluções cognitivas personalizadas no Brasil e na América Latina

    O CEO do Atlético Mineiro, Plínio Signorini, traz para o clube uma visão de gestor que quer garantir que seu investimento nos talentos trará o melhor retorno.

    Como outros líderes modernos, ele decidiu que o uso de dados era o caminho do futuro. Antes mesmo de assumir a liderança do clube, ele já pesquisava soluções de inteligência artificial em contato com a Kukac.

    “Fazemos um investimento alto, principalmente nos atletas de base. Se conseguirmos uma análise mais abrangente, diminui o risco de perda e traz eficiência para o investimento. Você usa melhor seus recursos no mais importante para o público: o futebol”, diz.

    Ao chegar no comando do clube em 2018, ele já tinha a adoção da inteligência artificial dentro de seus planos. Tudo começou com a indagação: por que alguns jogadores de base brilhantes não conseguem avançar e jogar no profissional?

    “Tinha algum fator adicional. Por mais que um clube trabalhe bem os aspectos físicos, havia alguma coisa que a gente deixava passar”, diz.

    Esse ingrediente que faltava no treinamento dos atletas era a avaliação psicossocial junto aos testes físicos e de desempenho. Com essa ideia, ele entrou em contato com Roberto Francisco de Souza, CEO da Kukac e diretor comercial do Speck, com a questão: será que funciona?

    Três anos após começarem os testes iniciais da inteligência artificial, eles concordam que é um sucesso.

    O caso do jovem da história inicial, que não teve seu nome revelado para a reportagem, é uma prova. Seu desempenho estava sendo avaliado abaixo das expectativas, no entanto o resultado que o robô enviou para a diretoria era outra: ele era um talento subutilizado.

    “Fisicamente não havia problema. E nós vimos pela avaliação que ele tinha correspondência grande com atacantes que escolhemos como referência para comparação. Então fomos ao treino conhecer o menino”, conta o CEO do clube.

    E então veio a surpresa: o atleta com todas as características de um atacante estava sendo avaliado como um volante no meio-campo.

    “Nós fizemos a modificação para centroavante. Logo que o colocamos, nas primeiras jogadas, ele fez dois gols. E nos primeiros jogos, como titular, ele foi goleador no campeonato”, diz.

    Craque do futuro

    A inteligência artificial transforma em ciência o que os melhores olheiros e técnicos conseguem fazer: perceber um potencial escondido nos jovens. A tecnologia ainda consegue fazer isso em grande escala.

    O robô é treinado para reconhecer os gestos, a linguagem e forma de se expressar dos atletas. Esse aprendizado da máquina é feito com uso de teorias e pesquisas sobre psicologia e linguística.

    Como bons resultados no ramo de inteligência artificial dependem da boa qualidade de dados oferecidos, o Speck Champs também foi alimentado com informações sobre os perfis de atletas mais cobiçados do mundo, grandes nomes como Cristiano Ronaldo e Lionel Messi.

    A máquina encontra características relevantes nos atletas que vão determinam seu desempenho na carreira e em certa função.

    Roberto Francisco explica que, da mesma forma que existem características comuns para advogados, por exemplo, serem bem-sucedidos, também existem características diferentes entre advogados de especialidades diferentes.

    Todo atleta precisa ter neuroticismo, um dos cinco grandes traços de personalidade estudados pela psicologia. Na prática, é a habilidade de ouvir as vaias da torcida e seguir com o jogo.

    “É um traço de quem lida bem com situações de estresse e pressão. Não importa a posição, se o atleta não tem esse traço, a possibilidade de fracasso é grande”, diz.

    Depois dessa análise inicial, um segundo conjunto de características é avaliado para determinar a afinidade com diferentes posições em campo. Foi o que aconteceu com o jogador que brilhou ao sair da função de volante e passou a atuar como centroavante.

    Existe também um terceiro grupo de comportamentos que devem ser levados em conta: os valores de cada clube. Muito parecido com o que se fala da cultura de empresas, seria a forma de agir que é indispensável para o conjunto.

    “Um atleta pode ser o Messi e não se dar bem junto com os outros”, explica.

    Todas as informações dadas pela inteligência artificial ainda precisam ser consideradas em contexto com outros fatores, como o desenvolvimento físico e técnico.

    Afinal, é possível que um jovem talentoso com a bola possa ser treinado para criar resiliência contra as vaias da torcida. E alguém com o essencial neuroticismo pode ter nascido com dois pés esquerdos.

    Juntar todos os dados de performance dos jogadores de base dentro da plataforma do Speck é o próximo passo para o clube. E Signorini tem planos mais ambiciosos:

    “Eu quero saber se estou recebendo um futuro craque dentro do clube”, diz o CEO.

    No futuro, o objetivo é ter uma base de dados com parâmetros concretos para a seleção de novos profissionais, com a possibilidade de construir a curva de crescimento da pessoa desde o início.

    E, se empresas de todos os setores investem em times de análise de dados, o Galo também tem contratado cientistas de dados para integrar o robusto time por trás dos campos. Com o sucesso desse primeiro experimento no clube, o futebol pode ser mais uma opção de carreira para os profissionais de tecnologia.

    Inovação além do esporte

    Com o impacto da automação e novas tecnologia no mercado, o Fórum Econômico Mundial prevê que 50% da força de trabalho global vá precisar de algum nível de requalificação nos próximos anos. E a própria inteligência artificial poderia ser a solução para ajudar no aprendizado da mão de obra.

    Para o CEO da Kukac, o uso de IA em recursos como o Speck Champs é uma forma de “empatar o jogo” nessa revolução tecnológica.

    “Já estamos discutindo sobre como sobreviver à inteligência artificial. Ela já é usada por redes sociais com fins comerciais para entender e manipular o comportamento do público. Agora, você pode desenvolver algo que retorne essa informação para o indivíduo”, diz.

    Além do esporte, a empresa já atua com soluções aplicadas à educação, trabalho, empreendedorismo e empregabilidade.

    Em parceria com o Sebrae, eles atuam com um auxílio para entender os traços socioemocionais que interferem na capacidade de empreender dos alunos. Com os alunos de MBA da Fundação Dom Cabral, a ferramenta ajuda a identificar e potencializar características de liderança nos alunos.

    Para os alunos da Falconi Frst, a empresa ajuda na identificação de habilidades do futuro. E ofecere uma plataforma de empregabilidade para o Senai.

    Souza vê que um avanço necessário é o uso da inteligência artificial para a formulação de políticas públicas.

    Com a ferramenta, os dados socioemocionais de alunos do ensino público poderiam ser analisados junto ao contextos socioeconômico para criar soluções para problemas recorrentes, como a evasão escolar.

    “A questão em jogo para mim não é a evolução da tecnologia, mas nossa capacidade de lidar com a evolução. E o poder público tem ignorado isso. É essencial que ele se aproprie dessa capacidade o mais rápido possível e que também possa deter o uso inadequado”, afirma.

    Fonte: Exame

    Fusões e Aquisições

    Últimas Notícias

    Os fundos imobiliários mais rentáveis de 2021. E o que eles têm em comum

    Os fundos imobiliários (FIIs) tiveram mais um ano de perdas em 2021. O iFix, índice do segmento, encerrou o...

    Vyttra fatura R$ 300 mi com exames de covid e está pronta para autotestes

    Fabricante brasileira de exames de covid vai investir R$ 60 milhões em 2022 e prepara testes rápidos para detectar...

    Veja outras matérias