terça-feira, setembro 22, 2020
Outros

    Produção Industrial avança em 24 das 26 atividades em junho ante maio

    Em Destaque

    Brasil recebe cota adicional para vender 80 mil toneladas de açúcar aos EUA, diz Bolsonaro

    O presidente Jair Bolsonaro anunciou em rede social, nesta segunda-feira (21), que o Brasil vai receber uma...

    Vulcabras fecha acordo com Alpargatas para comprar operação da Mizuno no Brasil

    A Vulcabras fechou acordo com a Alpargatas para a compra da unidade de negócio relativa à operação...

    Mercado eleva estimativa para inflação em 2020 pela 6ª vez

    O mercado voltou a elevar a expectativa para a inflação este ano em meio às renovadas preocupações...

    A alta de 8,9% na indústria em junho ante maio foi disseminada, alcançando 24 das 26 atividades pesquisadas, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    A influência positiva mais relevante sobre a média global foi do setor de veículos automotores, reboques e carrocerias, que avançou 70,0%, impulsionado pelo retorno à produção de unidades paralisadas por causa da pandemia da covid-19.

    “A produção tinha sido quase toda paralisada, especialmente em abril”, ressaltou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.
    A fabricação de veículos acumulou uma alta de 495,2% em dois meses consecutivos de crescimentos, mas ainda opera 53,7% abaixo do patamar de fevereiro, período pré-pandemia.

    Outras contribuições positivas relevantes sobre o total da indústria em junho ante maio foram de bebidas (19,3%), indústrias extrativas (5,5%), produtos de borracha e de material plástico (17,3%), outros equipamentos de transporte (141,9%), produtos de minerais não-metálicos (16,6%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (24,4%), outros produtos químicos (7,1%), máquinas e equipamentos (10,6%), produtos de metal (13,1%), produtos têxteis (34,2%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (15,1%), impressão e reprodução de gravações (63,4%) e móveis (28,5%).

    Na direção oposta, os dois resultados negativos ocorreram em produtos alimentícios (-1,8%) e coque e produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,8%).

    Comparação com junho de 2019

    A queda de 9,0% na produção industrial em junho de 2020 ante junho de 2019 foi decorrente de resultados negativos em 21 dos 26 ramos, segundo o IBGE.

    O efeito-calendário foi positivo – o mês de junho de 2020 teve 21 dias, ante 19 dias úteis em junho de 2019 -, mas o ritmo da produção industrial permanece menos intenso, ainda influenciado pelos efeitos da pandemia do novo coronavírus.

    “Junho de 2020 teve dois dias úteis a mais que junho de 2019, o que de alguma forma pode ter também contribuído para essa taxa negativa ter sido menos intensa, para além dessa volta gradual à operação”, observou André Macedo.

    A queda na indústria em junho foi a oitava taxa negativa consecutiva, mas os resultados de maio (-21,8%) e abril (-27,5%) tinham superado os dois dígitos em decorrência da pandemia.

    Em junho de 2020 ante junho de 2019, o setor de veículos automotores encolheu 51,6%, maior influência negativa na média global da indústria, pressionada pela menor fabricação de automóveis, caminhões, autopeças, caminhão-trator para reboques e semirreboques e veículos para o transporte de mercadorias.

    Também houve contribuições negativas relevantes dos ramos de metalurgia (-25,3%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-46,8%), máquinas e equipamentos (-19,7%), couro, artigos para viagem e calçados (-44,7%), produtos têxteis (-23,7%), produtos de borracha e de material plástico (-9,7%), outros produtos químicos (-5,7%), produtos diversos (-28,7%), manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-17,7%), produtos de minerais não-metálicos (-6,3%), produtos de metal (-5,3%), outros equipamentos de transporte (-16,4%), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,0%) e de indústrias extrativas (-1,0%).

    Entre as cinco atividades em alta, a de maior contribuição positiva foi a de produtos alimentícios (8,0%). Produtos farmoquímicos e farmacêuticos cresceram 13,1%; bebidas, 7,8%; e perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal, 12,1%.

    O índice de difusão, que mostra o porcentual de produtos com avanços na produção em relação ao mesmo mês do ano anterior, subiu de 16,8% em maio para 36,1% em junho. Apesar da melhora, o indicador ainda ficou abaixo dos 50% em todas as categorias de uso, lembrou Macedo.

    Estadão Conteúdo

    Serviços

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Pré Auditoria

    A Profiting, utiliza o serviço de Pré Diligência, como procedimento básico para qualquer negociação de venda de uma empresa cliente. Com foco...

    Últimas Notícias

    Magazine Luiza e Sebrae vão expandir parceria que qualifica pequenos negócios para atuar em e-commerce

    O Magazine Luiza (MGLU3) e o Sebrae vão expandir a parceria para todo o país. Atualmente com...

    Creditas entra na briga pelo mercado de benefícios corporativos

    O mercado de benefícios corporativos ganha um competidor de peso nesta segunda-feira, 21. A fintech , conhecida...

    Veja outras matérias