sexta-feira, julho 10, 2020
Outros

    Quem vai ficar com o Cirque du Soleil?

    Em Destaque

    Acabou o medo: estoque de ofertas é de R$ 70 bi, diz Morgan Stanley

    Ano de 2020 pode ser recorde em operações, conforme previsões pré-pandemia, se operações forem bem-sucedidas

    Estados Unidos e China são os maiores produtores de lixo eletrônico

    Ambas as nações somadas à Índia totalizam 38% da quantidade mundial desse tipo de descarte; Brasil,...

    Tesla está muito perto de atingir nível máximo de condução autônoma, diz Musk

    A Tesla está "muito perto" de atingir o nível máximo de condução autônoma, disse o presidente da companhia, Elon Musk,...

    O Cirque du Soleil entrou hoje com um pedido de recuperação judicial no Canadá — mais uma vítima da pandemia que paralisou cinemas, fechou teatros e desceu a lona do maior espetáculo do mundo.

    A empresa deve pelo menos US$ 900 milhões a diversos credores.

    Três meses atrás, o Cirque du Soleil já havia fechado todos os seus 44 espetáculos e demitido 95% de sua força de trabalho, incluindo os mais de 1,3 mil funcionários que trabalham na Strip de Las Vegas, onde ficam os principais hotéis e cassinos e de onde o Cirque tira boa parte de sua receita.

    O plano de reestruturação — que ainda precisa ser aprovado pela Justiça canadense — inclui uma injeção de US$ 300 milhões dos atuais acionistas, um grupo formado pelo TPG Capital, a chinesa Fosun, e a Caisse de dépôt et placement du Québec (CDPQ), o segundo maior fundo de pensão do Canadá.

    Esse grupo havia comprado o controle do Cirque em 2015, quando o TPG ficou dono de 60% e a Fosun e CDPQ ficaram com participações minoritárias. O fundador do Cirque, Guy Laliberté, ficou com 10% à época, mas em seguida vendeu para a CDPQ.

    Na verdade, foi o TPG que ajudou a quebrar o circo. Quando fez a operação de compra, o TPG enfiou US$ 1,2 bilhão em dívidas na empresa, uma cambalhota conhecida como ‘leveraged buyout’.

    Agora, a nova injeção de capital dará fôlego para manter a operação funcionando enquanto os acrobatas, palhaços e dançarinos não podem voltar aos palcos.

    [Para os leigos em recuperação judicial: o pedido de RJ não é o fim do circo. É uma tentativa de reestruturar o negócio e deixar o Cirque du Soleil pronto para a reabertura.]

    A oferta de reestruturação liderada pelo TPG é um “stalking horse” — uma oferta inicial, no jargão de M&A. Agora, outros compradores potenciais podem cobrir a oferta. Segundo o Las Vegas Review-Journal, já há seis consórcios interessados na marca: um deles liderado por Guy Laliberté — que de palhaço não tem nada — e outro pelo conglomerado canadense de comunicações Quebecor.

    Fonte: Brazil Journal

    Serviços

    Buscamos Sócios Empreendedores

    Estamos selecionando empreendedores, em âmbito nacional,  que possuam negócios que precisam ser profissionalizados ou re-estruturados. Os segmentos a seguir...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Pré Auditoria

    A Profiting, utiliza o serviço de Pré Diligência, como procedimento básico para qualquer negociação de venda de uma empresa cliente. Com foco...

    Últimas Notícias

    Tesla está muito perto de atingir nível máximo de condução autônoma, diz Musk

    A Tesla está "muito perto" de atingir o nível máximo de condução autônoma, disse o presidente da companhia, Elon Musk,...

    Estados Unidos e China são os maiores produtores de lixo eletrônico

    Ambas as nações somadas à Índia totalizam 38% da quantidade mundial desse tipo de descarte; Brasil,...

    Veja outras matérias