quinta-feira, março 4, 2021
Outros

    Rumo planeja captar R$ 6 bi e oferta pode ser segunda maior do ano

    Em Destaque

    Brasil sai de lista das 10 maiores economias do mundo e cai para a 12ª posição, aponta ranking

    Com o tombo histórico de 4,1% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020, o Brasil saiu do ranking das...

    Descontrole da pandemia, risco fiscal, populismo econômico e dólar forte: as 4 incertezas da economia em 2021

    Várias incertezas pairam sobre o Brasil e já começam a minar as expectativa para a retomada da economia brasileira...

    Bancos propõem compra do controle da Empiricus e da Vitreo

    O grupo que comanda a casa de research Empiricus e a corretora Vitreo está no meio de um processo...

    A companhia de logística Rumo, do Grupo Cosan, vai buscar entre 5 bilhões de reais e 6 bilhões de reais com uma oferta de ações. A empresa anunciou ontem a possível emissão, mas ainda sem os valores definitivos. Foram contratados bancos de investimentos para estruturar a operação — Bradesco BBI, Itaú BBA, BTG Pactual, na coordenação, e ainda Banco do Brasil e Safra.

    A captação, toda primária, da Rumo tem potencial para ser a segunda maior do ano na B3, atrás apenas dos 8 bilhões de reais levantado pela Lojas Americanas, com auxílio do 1,8 bilhão de reais dos acionistas controladores, o trio 3G Carlos Alberto Sicupira, Marcel Telles e Jorge Paulo Lemann. O valor final, a depender do comportamento das ações, poder ser ainda maior. A companhia convocou assembleia para alterar o seu estatuto social para permitir um aumento de capital de até 7 bilhões de reais — deixando claro o tamanho do apetite.

    O mercado não se assustou com o tamanho da operação. As ações estão em alta de 0,85% e o valor em bolsa da empresa estava em 35,1 bilhões de reais.

    A emissão também vai contar com reforço do controlador. A expectativa é que a Cosan Logística e a Cosan Limited (CZZ) também acompanhem a operação, segundo as informações que circulam no mercado. A Logística tem 28,5% da Rumo e a CZZ, entre 1,5% e 2%. Juntas, portanto, se forem evitar toda a diluição, podem responder por 1,5 bilhão de reais a 2 bilhões de reais do que for captado.

    Os recursos vão ajudar a pagar dívidas caras — ainda que alavancagem da companhia esteja baixa, especialmente em meio a uma crise — e a financiar o plano de expansão de capacidade.

    Entre as dívidas que a empresa poderá eliminar após se capitalizar, estão 3,1 bilhões de reais de longuíssimo prazo (vencimento total em 2058) relacionados à renovação antecipada da concessão da Malha Paulista. O incentivo é o custo: o compromisso corre a IPCA mais 11%. O plano de expansão pretendido é relacionado à Malha Oeste. Além disso, projetos no setor não faltarão. O governo tem planos de licitações superiores a mais de 70 bilhões de reais em áreas de interesse para a companhia e a Rumo, que já é a maior do setor no país, pretende assim continuar.

    O Grupo Cosan está em meio a um amplo processo de reestruturação societária que vai concentrar o controle das companhias investidas em uma só holding, do empresário Rubens Ometto — atualmente existem três, Cosan S.A.; Cosan Logística e CZZ. A Rumo é a única de capital aberto com grande liquidez. A operação completa deve listar as demais controladas Moove, de lubrificantes, Raízen, de energia e combustíveis, e a Compass, dona da Comgás. Com o novo modelo, além de concentrar a liquidez da holding em uma única companhia e ação, as empresas investidas conquistam autonomia para se capitalizar sem depender exclusivamente do controlador.

    Outro esforço do conglomerado — de alguns anos para cá, mas que culmina nessa operação — é de imagem. A companhia tem se destacado por tornar evidente seus fatores ESG — de sustentabilidade, social e governança — e também de se mostrar comprometida com os investidores. Não por acaso a primeira mensagem que Marcelo Martins, vice-presidente financeiro do grupo, quis transmitir ao anunciar a reorganização é que ela não tem por objetivo beneficiar apenas Ometto, mas todas as empresas do grupo e investidores.

    Fonte: Exame

    Serviços

    Últimas Notícias

    Google vai parar de vender anúncios com base em navegação de usuários

    O Google planeja parar de vender anúncios com base na navegação de usuários por múltiplos sites, uma mudança que...

    IPOs no Brasil fazem brilhar os olhos de bancas americanas

    A retomada dos IPOs no Brasil — que só nos dois meses deste ano já movimentou quase 40 bilhões...

    Veja outras matérias