sexta-feira, abril 16, 2021
Outros

    Serum envia primeiras vacinas do coronavírus à Covax. Brasil ainda não está na lista

    Em Destaque

    Governo estima rombo de R$ 170,5 bi em 2022 e vê 11 anos de contas no vermelho

    No projeto que estabelece as diretrizes para o Orçamento de 2022, enviado ao Congresso nesta quinta-feira (15), o governo...

    Hering rejeita proposta de compra pela Arezzo

    A Hering decidiu, em reunião nesta quarta-feira, 14, negar a proposta feita pela Arezzo de combinar os negócios das...

    Magazine Luiza recebe aval do Cade para compra da Hub Prepaid

    O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da Hub Prepaid pelo Magazine Luiza, sem...

    O Instituto Serum da Índia, maior fabricante de vacinas do mundo, enviou nesta terça-feira o primeiro lote de vacinas contra a covid-19 para o programa mundial de imunização Covax

    A Covax estabeleceu três grupos: os que receberão vacina da Pfizer, os que receberão vacina de Oxford feita pelo Serum e os que receberão vacinas via acordo direto da Covax com a AstraZeneca. O Brasil está no terceiro, e deve receber 10,7 milhões de doses da vacina de AstraZeneca/Oxford via Covax até o fim do ano, para além das doses que já tem comprado diretamente com a fabricante. 

    O Covax, dirigido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e a aliança GAVI, alcançou acordos com os fabricantes para 2 bilhões de doses em 2021 e tem a opção de comprar mais um bilhão.

    O montante fechado pela Covax inclui 1,1 bilhão de doses do Instituto Serum, que produz as vacinas da anglo-sueca AstraZeneca e da americana Novavax.

    A OMS do sudeste asiático tuitou fotos das primeiras remessas carregadas em um caminhão na fábrica do Serum em Pune, oeste da Índia.

    O diretor do Serum, Adar Poonawalla, pediu no domingo que os países tenham “paciência”, afirmando que recebeu instruções para priorizar o mercado interno indiano.

    O objetivo da Covax é imunizar até 20% da população nos países mais pobres. Para os demais países participantes, como o Brasil (que não está na lista dos que terão vacina subsidiada), o número de doses recebidas variou a depender da quantidade comprada.

    O Brasil liberou 2,5 bilhões de dólares em pagamento à Covax, que está sendo pago em parcelas, o suficiente para cerca de 10% da população.

    A previsão do consórcio é que o Brasil receba 10,7 milhões de doses de vacinas até o final de 2021, 6 milhões entregues até julho. Desse grupo, só 15% das doses (1,6 milhão) chegarão até março.

    Para além da Covax, o Instituto Serum já forneceu ao governo indiano e a outros países (como o Brasil) milhões de doses da vacina da AstraZeneca em acordos diretos. O Brasil recebeu 2 milhões de doses prontas da vacina da AstraZeneca em janeiro e outras 2 milhões chegaram nesta terça-feira, 23 de fevereiro.

    Segundo a Fundação Oswaldo Cruz, que é parceira da AstraZeneca nos testes no Brasil e organiza a importação, outras 8 milhões de doses prontas devem ser importadas nos próximos dois meses.

    Enquanto negocia as doses prontas, a Fiocruz também trabalha na fabricação interna das vacinas. O insumo necessário — o chamado IFA — chegou ao Brasil em fevereiro, e as primeiras doses devem ser entregues em meados de março. A meta é produzir 100,4 milhões de doses até julho com o IFA importado. Eventualmente, o objetivo é fabricar também o IFA nacionalmente.

    Também nesta terça-feira, 23, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que o Instituto Butantan será capaz de produzir doses da Coronavac com IFA fabricado nacionalmente em dezembro. As doses com o IFA importado já estão sendo fabricadas desde o ano passado.

    Fonte: Exame

    Serviços

    Últimas Notícias

    Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

    Em busca de dinheiro dos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a seu homólogo Joe Biden...

    IPO da Blau atrai fundos globais e companhia vale R$ 7,2 bi na largada

    A Blau Farmacêutica acaba de precificar seu IPO a R$ 40,14 por ação, dando ao mercado mais uma alternativa...

    Veja outras matérias