quinta-feira, maio 6, 2021
Outros

    Smartbank muda nome e compra startup de crédito para PMEs

    Em Destaque

    Banco Central eleva Selic em 0,75 p.p., para 3,5% ao ano, e sinaliza mais uma alta na mesma magnitude

    O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu nesta quarta-feira (5) elevar a Selic em 0,75 ponto percentual, para 3,50%...

    “Há muitos Mercados Livres para nascer na AL”, diz Nicolas Szekasy, do Kaszek

    Quando os argentinos Nicolas Szekasy e Hernan Kazah deixaram o Mercado Livre, empresa que tinham cofundado, para criar a...

    Bradesco espera perder receita com Pix e WhatsApp Pay, mas tem substituto

    A chegada da ferramenta de transferências de dinheiro via WhatsApp , assim como o Pix , vai 'morder' um pedaço da...

    Passados cerca de dois anos da largada do processo de reestruturação do antigo banco Indusval – que foi rebatizado Voiter em 2020 -, a empresa agora acelera sua trajetória digital com uma aquisição. O banco comprou a fintech IOUU, voltada à concessão de crédito a pequenos empreendedores. O objetivo é dar musculatura à operação digital, que também está ganhando nova marca: o Smartbank agora vai se chamar Letsbank.

    “Tínhamos atraso em relação ao crédito. Passamos de três a quatro meses analisando alternativas de crédito para acelerar a monetização do banco e atender a esse mercado, que é muito carente”, comenta o sócio da consultoria Estáter, Pércio de Souza.

    Souza chegou ao Indusval, fundado nos anos 1960, junto com o novo controlador, o empresário do agronegócio Roberto de Rezende Barbosa, ex-dono da Usina NovAmérica. Desde agosto de 2019, ele também reorganizou o negócio, colocando os créditos podres do antigo Indusval em uma empresa não financeira.

    Paralelamente ao esforço digital, a Estáter tenta arrumar a casa e zerar os prejuízos do Indusval: cerca de R$ 400 milhões já foram injetados no banco, em grande parte vindos de Barbosa. A estimativa é que ainda serão necessários aportes entre R$ 100 milhões e R$ 150 milhões, montante que Souza acredita que será suficiente para “limpar” o balanço.

    Por trás está a missão de deixar para trás o Indusval, que no ano passado registrou um prejuízo de R$ 235 milhões. O “novo” Voiter, segundo Souza, já apresentou um lucro de cerca de R$ 10 milhões do ano passado e segue o caminho para ser um banco de negócios, que vai atender de startups a grandes empresas.

    Com o reforço do crédito, a projeção é de que o banco digital entre em 2022 já com suas receitas e despesas no equilíbrio. O interesse de Souza no negócio vai além da consultoria. Por contrato, sua butique de investimentos tem o direito de comprar 50% do banco daqui a cerca de cinco anos.

    Sociedade para crédito

    O crédito era a peça que faltava para a operação crescer, segundo o sócio da Estáter. A IOUU será comprada em dinheiro e ações. O fundador da fintech, Bruno Sayão, ficará com 6% do Letsbank. O valor do negócio não foi revelado.

    Não está no planejamento do Letsbank atuar em “mar aberto”, um ambiente de grande competição dado o número de fintechs que surgem continuamente dentro do processo de digitalização do mercado financeiro no País.

    Estadão Conteúdo

    Serviços

    Últimas Notícias

    Xiaomi traz ao Brasil seu 30º smartphone em dois anos

    A chinesa Xiaomi traz ao Brasil a partir de hoje dois novos smartphones chamados Redmi Note 10 Pro e...

    Marcas europeias ameaçam boicotar produtos do Brasil devido a política ambiental

    O Projeto de Lei (PL) 510/21, que altera regras de regularização fundiária em terras da União e do Incra...

    Veja outras matérias