sexta-feira, abril 16, 2021
Outros

    Sony Music fecha contrato para comprar Som Livre

    Em Destaque

    Governo estima rombo de R$ 170,5 bi em 2022 e vê 11 anos de contas no vermelho

    No projeto que estabelece as diretrizes para o Orçamento de 2022, enviado ao Congresso nesta quinta-feira (15), o governo...

    Hering rejeita proposta de compra pela Arezzo

    A Hering decidiu, em reunião nesta quarta-feira, 14, negar a proposta feita pela Arezzo de combinar os negócios das...

    Magazine Luiza recebe aval do Cade para compra da Hub Prepaid

    O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da Hub Prepaid pelo Magazine Luiza, sem...

    A Sony Music Entertainment (SME) anunciou há pouco ter assinado acordo definitivo com a Globo Comunicação e Participações S.A. para a aquisição da empresa independente de música Som Livre.

    O valor da operação não foi revelado.

    No ano passado, o Valor informou que a Globo havia iniciado estudos para a venda da gravadora.

    Segundo comunicado sobre a operação divulgado pela Globo, a Som Livre continuará como um “centro criativo autônomo”.

    O comunicado também afirma: “O acordo expande os investimentos da SME na comunidade criativa brasileira, gerando maiores oportunidades de desenvolvimento global para artistas brasileiros.”

    Segundo o comunicado, há ganhos mútuos com a transação: “Trazer a Som Livre para a família de companhias Sony desenvolve o longo relacionamento entre Som Livre e The Orchard, empresa de distribuição digital da Sony Music, e incrementa o robusto suporte da Sony a artistas e selos no Brasil e por todo o cenário musical da América Latina.”

    O comunicado diz ainda que ao se juntar à SME, o “consagrado elenco de artistas e autores da Som Livre terá acesso à rede global de recursos e parcerias da SME oferecendo maior alcance mundial para a comunidade criativa brasileira”.

    A Sony Music também vai investir no contínuo crescimento da Som Livre, criando oportunidades expandidas para artistas brasileiros, diz o comunicado.

    Marcelo Soares, CEO da Som Livre, falou, no comunicado, sobre a trajetória da gravadora: “Som Livre teve um excepcional período de 50 anos como uma empresa da Globo. O suporte da Globo foi fundamental para o crescimento da Som Livre, sobretudo pela última década quando construímos o negócio ao que ele é hoje. Olhando para o futuro e enxergando todas as oportunidades pela frente, é muito empolgante saber que teremos a Sony Music conosco. Estamos, mais uma vez, no lugar certo para garantir as melhores possibilidades de desenvolvimento de carreira para nossos artistas e funcionários. Sou muito grato por tudo que conquistamos com a Globo, e estou ansioso por começar essa nova fase com a Sony”.

    Soares vai continuar como CEO da Som Livre.

    Rob Stringer, chairman da Sony Music Group, acrescentou: “Estamos encantados em investir na Som Livre e ampliar nossa relação com essa empresa tão especial. O Brasil é um dos mercados musicais mais dinâmicos e competitivos em crescimento no mundo e nós traremos enormes oportunidades para os talentos através da nossa visão compartilhada”.

    Jorge Nóbrega, CEO da Globo, também destacou o papel relevante da Som Livre: “Estamos muito felizes em ter encontrado na Sony uma nova casa para a Som Livre, um negócio que foi construído dentro da Globo e que sempre foi muito querido por todos nós. A Som Livre produziu e lançou músicas com a Globo por mais de meio século, foi um importante capítulo na história da Globo. Nós queríamos assegurar que esse acordo preservasse tudo que a Som Livre representa para os brasileiros. Desde o início das conversas percebemos um alto nível de profissionalismo, interesse e respeito vindos da Sony Music, que fizeram dela a combinação perfeita para a Som Livre. Desejo à Som Livre e à Sony muitos mais anos de sucesso”.

    Segundo o comunicado, a aquisição ainda está sujeita às condições regulatórias e de fechamento usuais, incluindo a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

    A transação se insere no processo de transformação pelo qual passa a Globo, com ênfase no modelo D2C (sigla em inglês para direto para o consumidor), no qual a empresa controla todas as fases dos processos de produção e distribuição.

    A gravadora brasileira Som Livre foi fundada pela Globo em 1969 para o lançamento e divulgação de trilhas sonoras de programas de TV. Com todas as transformações no mercado musical, a Som Livre se tornou uma gravadora de vanguarda, refletindo o gosto musical do brasileiro.

    Diz o comunicado: “Com sua capacidade única de entender e antecipar preferências, aspirações e comportamentos dos brasileiros, a Som Livre é uma gravadora de música digital totalmente integrada com um modelo comprovado para identificar, desenvolver e promover a música e os artistas que os fãs continuarão a abraçar nas próximas décadas. A Som Livre tem forte atuação em eventos ao vivo, sendo produtora de festivais no país por meio de diversas marcas, como Festeja e Samba D +. Ela também tem sua plataforma de distribuição de música, a Fluve, e operações adicionais em sua editora musical.”

    Brad Navin, CEO da The Orchard também afirmou: “The Orchard tem trabalhado com a Som Livre por muitos anos, apresentando seus artistas seminais para fãs de música em todo o mundo. Estamos empolgados em continuar e expandir essa parceria enquanto fortalecemos o compromisso da empresa em investir no vibrante mercado brasileiro de música”.

    Afo Verde, Chairman & CEO da Sony Music Latin Iberia disse: “Som Livre é a casa de alguns dos talentos mais criativos do Brasil, e tem histórico de uma década de importante desenvolvimento de música local. Ambos acreditamos em estratégias com foco nos artistas e juntos vamos oferecer uma abordagem inovadora para o mercado brasileiro e toda a região latino-americana”.

    Casa de muitos dos artistas mais populares do Brasil incluindo Marília Mendonça, Jorge & Mateus, Wesley Safadão, Lexa, e estrelas em ascensão como Israel e Rodolffo, Dudu MC, Filipe Ret e Grupo Menos é Mais, a Som Livre, afirmou o comunicado, “se tornará um centro criativo independente dentro da Sony Music que continuará a contratar, desenvolver e promover seu próprio elenco de talentos, e fornecer uma ampla gama de serviços à comunidade musical brasileira”.

    Fonte: Valor Econômico

    Serviços

    Últimas Notícias

    Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

    Em busca de dinheiro dos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a seu homólogo Joe Biden...

    IPO da Blau atrai fundos globais e companhia vale R$ 7,2 bi na largada

    A Blau Farmacêutica acaba de precificar seu IPO a R$ 40,14 por ação, dando ao mercado mais uma alternativa...

    Veja outras matérias