sexta-feira, abril 23, 2021
Outros

    Startup desenvolve película adesiva que evita o contágio pelo coronavírus em superfícies

    Em Destaque

    Motoristas de apps se opõem à fusão entre Localiza e Unidas

    Uma das fusões mais importantes em análise pelas autoridades concorrenciais neste ano, a união das locadoras de veículos Localiza...

    Locaweb faz aquisição de empresa de software de gestão por R$ 524 milhões

    A Locaweb, líder em hospedagem de sites no Brasil, anunciou a aquisição da empresa gaúcha de softwares de gestão...

    Biden deve anunciar aumento de impostos sobre ganhos de capital para 43,4%, quase o dobro do valor atual

    Após a apresentação do pacote de infraestrutura de US$ 2,3 trilhões, o presidente dos Estados Unidos Joe Biden deve...

    Tocar em um objeto ficou arriscado com a chegada do coronavírus. Ele pode estar contaminado e, ao colocar a mão no rosto, a pessoa pode se contaminar também. Uma película que mata o vírus em dois minutos chegou para resolver esse problema.

    A película adesiva é feita à base de cobre e solta um elétron que se liga à molécula do coronavírus e o destrói.

    “Em dois minutos, ela perde mais 77% dos vírus. Então, vai sobrar uma quantidade mínima de vírus que é incapaz de causar uma infecção sintomática em um indivíduo suscetível”, explica a microbiologista Ana Paula Dores Ramos.

    O empresário Felipe Kavaleski enxergou a oportunidade de negócio antes da pandemia começar. Ele investiu R$ 200 mil em matéria-prima, pesquisas e testes durante seis meses. Em junho deste ano, lançou a película adesiva no mercado.

    “A pandemia fez as pessoas ficarem mais atentas à questão da saúde. É complicado porque as pessoas tendem a não dar tanta importância para o que não veem. E a questão da prevenção, sempre foi muito importante pra mim”, conta o empresário.

    O produto elimina vírus, fungos e bactérias e pode ser aplicado em quase todo tipo de superfície. Em três meses de operação, a empresa vendeu 1.500 metros da película.

    O valor da instalação varia de acordo com a área. Em um par de maçanetas, por exemplo, custa R$ 110. Em um corrimão de dois andares, R$ 1.800.

    Artur Nunes Filho é dono de uma padaria. Ele colocou a película na catraca, nos puxadores das geladeiras e no corrimão da escada. O investimento foi de R$ 4 mil.

    “O cliente chega na padaria, pega a comanda e vem entrando. Automaticamente, ele já põe a mão na catraca. Essa película dá a proteção necessária pra ele”, afirma Artur.

    Calcula-se que a padaria receba mais de cinco mil toques de mão por dia, em toda sua extensão. Comparando com os gastos com um funcionário higienizando o tempo todo, o investimento na película protetora se paga em dois meses. Para reduzir os custos com matéria prima, o cobre, que não é barato, a estratégia foi deixar a película bem fina, com 0,06 mm, um fio de cabelo.

    Artur não tem dúvida: a película ajuda a trazer o cliente de volta.

    “A gente enxerga múltiplos mercados, hospitais, áreas da saúde, clínicas, consultório de dentista, até mesmo shoppings, prédios comerciais, meios de transporte”, afirma Felipe.

    Biocobre
    Rua Gomes de Carvalho, 1266, Sala 64 – Vila Olímpia
    São Paulo/SP – CEP: 04547-005
    Telefone: (11) 3136-1238/ (21) 3005-4035
    E-mail: contato@biocobre.com.br
    Facebook: www.facebook.com/biocobre
    Instagram: www.instagram.com/biocobre
    https://biocobre.com.br/

    Fonte: G1

    Serviços

    Últimas Notícias

    Incertezas e dólar podem ter pesado contra permanência da maior cimenteira do mundo no Brasil

    A produtora de cimento LafargeHolcim decidiu deixar o país em um momento de recuperação do setor após a forte...

    Dólar tem maior sequência de quedas desde 2016: até onde vai?

    O dólar sofreu nesta quinta-feira, 22, a maior queda desde o fim de março, e fechou no menor patamar...

    Veja outras matérias