quarta-feira, agosto 12, 2020
Outros

    Três gráficos que mostram como o varejo saiu do “fundo do poço”

    Em Destaque

    Dá para confiar na vacina russa?

    https://open.spotify.com/episode/29tq2acg6yZilWTngn2qQa?si=wFvd5-EvRRKu3XcVrWRz4A Descrição do episódio A grande esperança de contra-atacar...

    Amazon vai lançar 3.236 satélites para sua megaconstelação e preocupa astrônomos

    A Amazon vai enviar 3.236 satélites para a órbita da Terra, como parte de uma megaconstelação chamada Kuiper. O...

    “O protagonista do desenvolvimento sustentável na Amazônia será o setor privado, não o Estado”, afirma Mourão

    O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, declarou nesta terça-feira (11) que o setor privado será o “protagonista do...

    Dados divulgados pelo IBGE mostram que, após queda acentuada em abril, varejo começou a se recuperar em maio, embora ainda abaixo de 2019

    Os dados do varejo divulgados nesta quarta-feira, 8, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) trouxeram otimismo aos mercados. O crescimento das vendas no mês de maio — embora esperado após uma queda histórica em abril diante da pandemia do novo coronavírus — ficou acima das expectativas de analistas.

    Ao todo, o varejo cresceu 13,9% em maio (último período com dados disponíveis) na comparação com abril. O crescimento é o maior em um único mês desde o início da série histórica do IBGE, em 2000.

    A projeção dos analistas ouvidos pela Reuters era de alta de somente 6% na comparação mensal, ou entre 0,9% e 11,6% da pesquisa do Estadão Broadcast.

    Na comparação com 2019, maio terminou com queda de 7,2%, novamente menor do que a mais otimista das projeções dos analistas. A pesquisa da Reuters projetava queda de 12,1% sobre um ano antes e, do Estadão, entre 8,3% e 17,3%.

    Os dados também vêm em linha com bons resultados de consumo divulgados no exterior para o mês de maio. A projeção de analistas, globalmente, é que a pior queda tenha de fato ficado para abril, embora novos acontecimentos possam impactar o cenário novamente — como uma alta de casos de coronavírus que leve a novos fechamentos do comércio, como já vem acontecendo em cidades no Sul do Brasil e nos Estados Unidos.

    Com o otimismo dos investidores após os resultados do varejo, o dólar caía cerca de 0,8% às 14h10 e o principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa, subia 1,74%. Abaixo, a EXAME separou três gráficos que explicam os pontos mais importantes dos resultados do varejo no mês.

    1. Recuperação em maio

    Após as quedas bruscas em março e, sobretudo, em abril, o varejo voltou a crescer em maio, na comparação com o mês anterior, tanto em receita quanto em volume de vendas. A alta incluiu também o varejo ampliado, que leva em conta vendas de veículos, motocicletas, autopeças e material de construção.

    2. Mas ainda atrás de 2019

    A recuperação em maio é intensa na comparação com abril. Mas outros indicadores não deixam o mercado esquecer que o mundo e o Brasil passam pela maior crise em 100 anos. Se comparados os dados de maio ao mesmo período de 2019, a receita no varejo ainda segue no negativo, caindo 5,2%, embora seja uma queda menor que a de abril.

    Para além da reabertura ou não das lojas físicas, o varejo também é impactado pela alta taxa de desemprego no Brasil, que vem subindo nos últimos meses. Em maio, o Brasil teve metade da população em idade para trabalhar sem ocupação, maior taxa da série histórica.

    3. Setores que mais cresceram

    Os setores que mais se recuperaram em maio foram também os que haviam sofrido mais no mês anterior, como vestuário/tecidos e móveis/eletrodomésticos. Esses setores também se beneficiaram do crescimento do comércio eletrônico, que quase dobrou de tamanho no Brasil durante a pandemia, na comparação com 2019.

    Enquanto isso, setores com menor queda em abril e que vendem itens essenciais, como farmácias e supermercados, tiveram também um salto menor em maio.

    Ainda assim, na comparação com 2019, quase todos os segmentos seguem castigados: o único que apresenta crescimento na comparação com 2019 é o de supermercados, alimentos e bebidas.

    Fonte: Exame

    Serviços

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empreendedores, em âmbito nacional,  que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Pré Auditoria

    A Profiting, utiliza o serviço de Pré Diligência, como procedimento básico para qualquer negociação de venda de uma empresa cliente. Com foco...

    Últimas Notícias

    Amazon vai lançar 3.236 satélites para sua megaconstelação e preocupa astrônomos

    A Amazon vai enviar 3.236 satélites para a órbita da Terra, como parte de uma megaconstelação chamada Kuiper. O...

    “O protagonista do desenvolvimento sustentável na Amazônia será o setor privado, não o Estado”, afirma Mourão

    O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, declarou nesta terça-feira (11) que o setor privado será o “protagonista do...

    Veja outras matérias