sexta-feira, abril 23, 2021
Outros

    Varejo tem queda nas vendas de 2,5% em março

    Em Destaque

    Biden deve anunciar aumento de impostos sobre ganhos de capital para 43,4%, quase o dobro do valor atual

    Após a apresentação do pacote de infraestrutura de US$ 2,3 trilhões, o presidente dos Estados Unidos Joe Biden deve...

    Dólar tem maior sequência de quedas desde 2016: até onde vai?

    O dólar sofreu nesta quinta-feira, 22, a maior queda desde o fim de março, e fechou no menor patamar...

    Imprensa internacional vê com ceticismo promessas de Bolsonaro na Cúpula

    A reação internacional ao discurso do presidente Jair Bolsonaro na cúpula do clima convocada por Joe Biden foi de...

    No varejo ampliado, que inclui vendas de veículos e de material de construção, a queda foi ainda maior, de 13,7%

    Mesmo com ‘corrida’ aos supermercados, vendas no varejo caem

    As vendas do comércio varejista caíram 2,5% em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde uma queda de 16% a avanço de 0,80%, mas foi melhor que a mediana, que apontava queda de 4,70%. 

    Este resultado acontece mesmo com a ‘corrida’ aos supermercados e às farmácias em meio ao fechamento do comércio não essencial a partir da segunda quinzena de março com os decretos de isolamento social para conter o avanço da pandemia. No setor de hipermercados e supermercados, houve crescimento de 14,6%. Para artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos, alta de 1,3%. Estes, porém, foram os únicos com avanços nas vendas.

    Vendas de veículos em baixa

    No varejo ampliado, que inclui vendas de veículos e de material de construção, a queda foi ainda maior, de 13,7% ante fevereiro. A medida das estimativas feitas pelos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast era de retração de 14,35%. O resultado foi puxado pela forte queda nas vendas de veículos em março. A Fenabrave, associação que reúne as concessionárias, reportou que o nível de vendas foi o pior para o mês desde 2006, com queda de 21,8% ante o mesmo período de 2019.

    Na comparação com fevereiro, os dados da associação indicam retração de 32% nas vendas de veículos, em números ajustados sazonalmente pela pesquisadora Luana Miranda, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

    A situação deve piorar em abril, primeiro mês completo em que vigorou a proibição de funcionamento para o comércio não essencial diante do avanço da pandemia de coronavírus no País.

    Considerando os dados da Fenabrave e as sondagens do comércio e dos consumidores da FGV, Luana projeta queda de 33% no varejo ampliado em abril ante o mesmo mês de 2019. Para o ano, a expectativa do Ibre é de retração de 7,1% do varejo ampliado.

    O economista Vitor Vidal, da LCA Consultores, avalia que, com os números apresentados pela Fenabrave em abril, o setor deve aprofundar a retração. Preliminarmente, ele projeta queda de 12,6% no varejo ampliado no quarto mês do ano.

    “São quedas de uma magnitude que nunca vimos antes”, afirmou. A LCA projeta queda de 0,7% no PIB do primeiro trimestre, mas o economista afirma que há um “claro viés de baixa” depois da divulgação dos dados de produção industrial (-9,1%) e de volume de serviços (-6,9%) de março. 

    Fonte: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,vendas-no-varejo-em-marco-caem-2-5-ante-fevereiro,70003301253

    Foto: “Mercadão de Madureira”, no Rio de Janeiro, com  pouca movimentação em meio à pandemia – Antonio Lacerda/EFE – 12/05/2020

    Serviços

    Últimas Notícias

    Incertezas e dólar podem ter pesado contra permanência da maior cimenteira do mundo no Brasil

    A produtora de cimento LafargeHolcim decidiu deixar o país em um momento de recuperação do setor após a forte...

    Dólar tem maior sequência de quedas desde 2016: até onde vai?

    O dólar sofreu nesta quinta-feira, 22, a maior queda desde o fim de março, e fechou no menor patamar...

    Veja outras matérias