sábado, outubro 24, 2020
Outros

    Ausência de líderes globais agrava impasse e frustrações na ONU

    Em Destaque

    Desemprego diante da pandemia bate recorde no Brasil em setembro, aponta IBGE

    O desemprego diante da pandemia do novo coronavírus bateu recorde em setembro, apontam os dados divulgados nesta...

    Arezzo anuncia compra de rede de moda Reserva em operação de R$ 715 milhões

    A Arezzo anunciou nesta sexta-feira (23) que seu conselho de administração aprovou acordo de combinação de negócios...

    Governo anunciará 2 mil simplificações trabalhistas, diz Guedes

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o governo anunciará em “uma ou duas semanas” a...

    Ao completar 75 anos neste ano, as Nações Unidas continuam com a produção de relatórios cada vez mais sombrios sobre ameaças globais que deveriam ser atenuadas após sua criação.

    A biodiversidade tem sido destruída, a mudança climática se acelera, e a guerra e a fome criam mais refugiados do que nunca na história da humanidade, alerta o organismo mundial. E agora a pandemia de Covid-19 fez com que centenas de milhões voltassem à pobreza, enquanto novas paralisações da atividade econômica se aproximam.

    Aprofundando a escuridão que envolve a organização mundial, a Assembleia Geral da ONU, que geralmente traz cerca de 10 mil diplomatas todos os anos a Manhattan, está sendo realizada virtualmente nesta semana, o que impede encontros pessoais entre líderes mundiais que às vezes oferecem vislumbres de progresso para crises aparentemente sem solução.

    “É um dos períodos mais desafiadores que a ONU já viu, seja pela mudança climática, colapso socioeconômico devido à pandemia ou conflitos globais”, disse Jan Egeland, ex-chefe de assuntos humanitários da ONU que agora dirige o Conselho Norueguês para Refugiados. “Mas presenciamos um choque gigantesco entre os ideais que a ONU defende e o nacionalismo que se espalha como fogo em muitos de seus estados membros.”

    Todos os anos, a Assembleia Geral se torna o palco central para que opiniões de líderes possam ser ouvidas no mundo todo. Os discursos variam de críticas veementes contra o colonialismo – Fidel Castro detém o recorde da ONU com um discurso de quatro horas em 1960 – ao uso de adereços que chamam a atenção, como o desenho de uma bomba com um fusível aceso que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, mostrou em 2012 para alertar contra as ambições nucleares do Irã.

    Nesta semana, os líderes enviarão vídeos para uma sala vazia. Para o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, que organiza uma mesa-redonda virtual com líderes climáticos de governos, empresas e sociedade civil na quinta-feira, será uma oportunidade perdida.

    “A diplomacia, para ser eficaz, requer contato pessoal”, disse em conferência de imprensa. “Lamento não ter a oportunidade de reunir líderes de países envolvidos em conflitos como o da Líbia ou do Iêmen ou qualquer outro, ou líderes que tenham uma iniciativa importante em áreas-chave, seja em relação às mudança climática, combate ao racismo, igualdade de gênero, que não possamos aproximá-los.”

    Um bônus do formato virtual: funcionários da ONU esperam líderes que geralmente enviam subordinados à Assembleia Geral, incluindo os presidentes da China, Xi Jinping, e da Rússia, Vladimir Putin, para participar com comentários por vídeo.

    Cooperação, nacionalismo
    Os discursos provavelmente destacam um contraste cada vez mais profundo de opiniões. Líderes como o presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, devem pedir ação conjunta para resolver problemas globais urgentes.

    “A semana de alto nível da Assembleia Geral da ONU será uma oportunidade para refletir sobre a atual crise da Covid-19 e reafirmar o papel crucial das Nações Unidas e da cooperação multilateral, que são extremamente necessárias nestes tempos”, disse o embaixador da França, Nicolas de Riviere, a repórteres.

    Mas os dois primeiros palestrantes agendados para terça-feira, os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump, provavelmente usarão a plataforma para destacar suas abordagens nacionalistas. Para Trump, a oportunidade surge exatamente seis semanas antes das eleições nos Estados Unidos, onde perde nas pesquisas para o democrata Joe Biden.

    “Líderes sábios sempre colocam o bem de seu próprio povo e seu próprio país em primeiro lugar”, disse Trump à Assembleia Geral no ano passado. “O futuro não pertence aos globalistas. O futuro pertence aos patriotas.”

    Fonte: Exame

    Serviços

    Investimento em Empresas

    O mercado de aquisições de empresas está bem ativo e atraente considerando dois aspectos: O Dólar alto e a SELIC baixa.

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Últimas Notícias

    Economia repassará R$ 60 mi para Meio Ambiente combater queimadas

    O Ministério da Economia informou hoje (23) que repassará R$ 60 milhões para o Ministério de Meio...

    Streaming da Amazon cresce mais do que a Netflix, diz pesquisa

    O Amazon Prime Video foi o serviço que mais cresceu durante a pandemia do novo coronavírus. Ao...

    Veja outras matérias