quarta-feira, janeiro 20, 2021
Outros

    Bank of America vê chance de dólar abaixo de R$5 e Ibovespa a 130 mil pontos em 2021

    Em Destaque

    CEO da fusão entre Fiat e Peugeot fala sobre a saída da Ford do Brasil

    O anúncio da Ford de fechar fábricas no Brasil repercutiu em todo o mercado automotivo. O português...

    Exportação de suco de laranja do Brasil cai 23,5% no 1° semestre da safra 2020/21

    As exportações de suco de laranja do Brasil atingiram 497.490 toneladas de julho a dezembro, primeiro semestre...

    Guedes aposta em vitória de Lira para reapresentar proposta de nova CPMF

    A proximidade das eleições para o comando da Câmara e do Senado, marcadas para 1.º de fevereiro,...

    O Bank of America está “overweight” nas ações brasileiras em 2021, vê chances de o dólar cair abaixo de 5 reais e recomenda posições vendidas nos DIs janeiro 2022 e janeiro 2023. O banco americano aposta em um cenário de “organização” fiscal, que contemple manutenção do teto de gastos e progresso em reformas micro.

    “O fluxo estrangeiro virou, mas óbvio que uma intensidade maior nesse movimento vai depender do nosso fiscal”, disse David Beker, chefe de economia e estratégia do Bank of America, prevendo que o Brasil receberá 60 bilhões de dólares em investimento direto no país (IDP) em 2021, acima dos 45 bilhões de dólares previstos para este ano.

    O BofA vê o Ibovespa em 130 mil pontos no próximo ano, um acréscimo ao redor de 16% em relação ao patamar atual, puxado por perspectiva de recuperação dos lucros em 2021 e 2022 para setores cíclicos, que têm maior peso no índice — materiais básicos, energia e finanças.

    Na América Latina, o mercado de ações brasileiro é o único com recomendação “acima da média do mercado”. O BofA está “marketweight” em México e Peru, “underweight” no mercado chileno e sem exposição a Argentina e Colômbia.

    No caso do câmbio, o banco calcula o dólar a 5,10 reais no término de 2021, abaixo dos 5,23 reais desta quarta-feira. “Ficamos entre 5,50 reais e 6 reais por muito tempo, o risco agora é romper os 5 reais, mas apenas se o Brasil fizer a lição de casa fiscal e o exterior se mantiver favorável”, disse Beker.

    Uma valorização mais acentuada do real ainda seguirá limitada, de acordo com Beker, pelo nível historicamente baixo da taxa de juros, que mantém a moeda brasileira atrás em termos de retornos na comparação com vários de seus principais pares.

    Beker até projeta “normalização” da política monetária no ano que vem, com o Banco Central elevando a Selic para 3,25% até dezembro de 2021, frente os 2% atuais, num processo com início em alta de 0,25 ponto percentual em junho. “Mas se a gente estiver errado sobre o fiscal, a pressão será para subir antes disso”, ponderou o executivo.

    O gradualismo no aumento de juros em 2021, no cenário-base do BofA, se deve à perspectiva de que o quadro inflacionário continuará benigno. Beker ainda estima que, em termos anuais, o IPCA deva continuar em ascensão até o primeiro e segundo trimestres de 2021, mas na sequência começará a recuar, fechando 2021 com acréscimo de 3,6%, ainda abaixo do centro da meta do ano que vem (3,75%).

    Num contexto de inflação benigna e Selic em alta apenas gradativa, Beker avalia que o mercado de juros está com excesso de prêmio e que faz sentido posição vendida nos DIs janeiro 2022 e janeiro 2023. O DI janeiro 2022, por exemplo, está em 3,015% ao ano, mais de 100 pontos-base acima do CDI atual, de 1,90%.

    No caso do PIB, o executivo do BofA ainda vê crescimento de 3% em 2021, depois de queda projetada de 4,1% neste ano. O BofA diz ainda não ver elementos para “ir além” na expectativa de expansão da economia e cita, por exemplo, chance de encerramento do coronavoucher, com impacto no consumo das famílias. “Então no começo do ano a atividade pode ter desafios”, disse.

    Beker tem em seu cenário-base avanço do projeto de lei da autonomia do Banco Central, Lei de Falências, PEC emergencial, PEC dos fundos e “alguma coisa” da reforma tributária, com o Orçamento sendo aprovado também em 2021.

    “O resumo da história é um cenário construtivo. Tem alguns riscos externos, principalmente o timing a vacina, a questão do comportamento das políticas nas economias globais e o risco doméstico principal que é o fiscal, mas as notícias mais recentes são encorajadoras”, finalizou o executivo.

    Fonte: Exame

    Serviços

    Profiting faz Road Show para captar 20 Milhões.

    O recurso será investido em empresas associadas visando crescimento em vendas e aumento de produção. O mercado de aquisições...

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Últimas Notícias

    CEO da fusão entre Fiat e Peugeot fala sobre a saída da Ford do Brasil

    O anúncio da Ford de fechar fábricas no Brasil repercutiu em todo o mercado automotivo. O português...

    Iguá bate o martelo e troca IPO por investimento de R$ 1,1 bi do CPP

    A Iguá Saneamento já bateu o martelo. Nesse momento, vai embarcar na finalização de uma transação para...

    Veja outras matérias