sexta-feira, abril 16, 2021
Outros

    Crise é a maior que a indústria da aviação já testemunhou, diz novo CEO da associação internacional do setor

    Em Destaque

    Governo estima rombo de R$ 170,5 bi em 2022 e vê 11 anos de contas no vermelho

    No projeto que estabelece as diretrizes para o Orçamento de 2022, enviado ao Congresso nesta quinta-feira (15), o governo...

    Hering rejeita proposta de compra pela Arezzo

    A Hering decidiu, em reunião nesta quarta-feira, 14, negar a proposta feita pela Arezzo de combinar os negócios das...

    Magazine Luiza recebe aval do Cade para compra da Hub Prepaid

    O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da Hub Prepaid pelo Magazine Luiza, sem...

    O novo diretor-geral e CEO da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês), Willie Walsh, defendeu que ainda há muito trabalho a ser feito para retirar o setor aéreo da crise provocada pela Covid-19.

    “Essa é a maior crise que a indústria já testemunhou”, disse, e emendou: “continuamos a ver a indústria ficar sem caixa. E sem caixa não haverá indústria”, disse Walsh, na sua primeira apresentação como CEO da associação.

    Em 2020, o setor enfrentou perdas totais de US$ 118 bilhões, com uma queda de 65,9% em relação a 2019.

    Para conseguir sobreviver a essa crise, Walsh reforçou o pedido de suporte por parte dos governos ao redor do mundo. “É importante que as aéreas acessem qualquer suporte que elas possam ter”, disse. Walsh foi questionado sobre as recentes movimentações de governos aumentando sua participação no capital das companhias, como foi o caso da do governo francês na Air France.

    Notícias publicadas nesta semana apontaram que o país deve elevar de cerca de 15% para 30% a participação na empresa depois de converter um empréstimo de 3 bilhões de euros em dívida híbrida perpétua, além de sinalizar que irá participar também de um aumento de capital que já foi planejado. “Não vejo problemas em governos terem fatias na aéreas. Muitos governos já têm. Isso não é novo”, defendeu.

    O novo CEO da Iata apontou ainda um otimismo com a retomada da indústria, mas disse que o processo depende da abertura de fronteiras por parte dos países, além da implementação de medidas para testar a população e mecanismos digitais para se certificar os resultados dos testes e facilitar o transporte.

    “Estamos otimistas que conforme vamos avançando essas restrições vão ser relaxadas ou removidas. Vamos ver demanda e recuperação. Acreditamos que é muito importante que os governos estudem forma de reduzir essas barreiras conforme a pandemia perde força”, disse.

    Fonte: G1

    Serviços

    Últimas Notícias

    Bolsonaro promete a Biden zerar desmatamento ilegal até 2030

    Em busca de dinheiro dos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a seu homólogo Joe Biden...

    IPO da Blau atrai fundos globais e companhia vale R$ 7,2 bi na largada

    A Blau Farmacêutica acaba de precificar seu IPO a R$ 40,14 por ação, dando ao mercado mais uma alternativa...

    Veja outras matérias