quarta-feira, junho 23, 2021
Outros

    Ethereum vai superar bitcoin como reserva de valor, diz Goldman Sachs

    Em Destaque

    Um relatório do Goldman Sachs Global Macro Research, unidade de pesquisa do gigante de Wall Street, prevê que o ether – a criptomoeda da rede Ethereum – vai superar o bitcoin como ativo digital de reserva de valor.

    O relatório chamado “Crypto: A New Asset Class?” (ou “Cripto: Uma Nova Classe de Ativos?”, em português), foi publicado pelo banco no último dia 21, mas veio à tona em uma sequência de mensagens de Santiago Roel Santos, da ParaFi Capital, que divulgou trechos do documento nas redes sociais.

    “Dada a importância de casos de uso reais para determinar uma reserva de valor, [o ether] tem uma probalidade maior de superar o bitcoin como a reserva de valor digital dominante”, diz trecho do relatório. “O ecossistema Ethereum suporta contratos inteligentes e oferece aos desenvolvedores uma nova de forma de criar aplicações inovadoras na sua plataforma. A maioria das aplicações de finanças descentralizadas (DeFi) são construídas na rede Ethereum e a maioria dos NFTs são negociados com ether. O maior número de transações com ether do que com bitcoin também reflete essa dominância”.

    O relatório também questiona algumas das características geralmente ditas sobre o bitcoin por aqueles que defendem que a maior criptomoeda do mundo é o melhor ativo digital de reserva de valor: “O principal argumento em favor do bitcoin como reserva de valor é sua oferta limitada. Mas é a demanda, não escassez, que leva ao sucesso as reservas de valor. Nenhuma outra reserva de valor tem oferta limitada. A oferta do ouro cresceu cerca de 2% ao ano por séculos, e ele continua sendo aceito como reserva de valor”.

    O texto ainda indica que a oferta limitada do bitcoin – que nunca terá mais do que 21 milhões de unidades em circulação – é, no entendimento dos especialistas do Goldman Sachs, um problema: “Na verdade, uma oferta fixa e limitada aumenta o risco de volatilidade de preços, pois incentiva comportamente de manada e força novos compradores a superar a oferta de quem possui o ativo, potencialmente criando bolhas financeiras”.

    “Para preservar o valor de um ativo, mais importante do que ter uma oferta limitada é ter um risco reduzido de aumentos dramáticos e imprevisíveis. O ether, cuja oferta total não é limitada, mas o crescimento da oferta anual sim, atende a este critério”, finaliza o documento.

    A análise foi publicada poucos dias após o “crash” do mercado de criptoativos registrado na última semana. Apesar da queda de preços, o ether continua com ganhos acumulados de mais de 230% no ano, negociado atualmente a 2.400 dólares. Já o bitcoin, cotado a 34.500 dólares, acumula apenas 17% de ganhos no ano.

    Fonte: Exame

    Serviços

    spot_img

    Últimas Notícias

    Pandemia mudou modo como pessoas dão ‘match’, diz chefe do Tinder

    Deslizar para esquerda ou para a direita, o gesto típico de quem usa o aplicativo Tinder, parece não ser...

    Ata do Copom preocupa investidores e ações do varejo despencam

    O assunto mais relevante da manhã se manteve crucial para os rumos da bolsa durante a tarde. Após o...

    Veja outras matérias