segunda-feira, janeiro 18, 2021
Outros

    Fintech permite que empresas tenham seus próprios bancos

    Em Destaque

    Grupo canadense anuncia fim das negociações com Carrefour

    O grupo canadense Couche-Tard anunciou neste sábado (16) que as discussões preliminares para uma transação com o...

    Juro e dólar subirão se Brasil não fizer reforma em 6 meses, diz economista

    O Brasil tem seis meses para realizar reformas para equilibrar as contas públicas. Caso isso não ocorra,...

    Líderes do Congresso vão propor mudanças na política de incentivo fiscal

    A saída da Ford do país levou um grupo de líderes da Câmara a começar a construção...

    Não é novidade para ninguém que as chamadas fintechs, startups do universo financeiro, têm adquirido bastante popularidade. Empresas como NuBank e PicPay são exemplos de fintechs que recentemente obtiveram significativo sucesso.

    Esse êxito se deve, em grande parte, à agilidade oferecida por esse tipo de empresa em relação aos bancos comuns. Outro benefício é a redução dos custos e taxas que instituições financeiras tradicionais impõem.

    Uma nova fintech, chamada bankme, trouxe uma grande novidade ao mercado: a possibilidade de que empresas tenham seus próprios bancos. A ideia é permitir que médios e grandes empresários possam aplicar seu capital em negócios com risco reduzido.

    Em tempos nos quais o país registra taxas de juros historicamente baixas, iniciativas como a bankme podem ser especialmente atraentes. Isso porque, além do corte nas taxas, elas possibilitam a antecipação de recebíveis e a realização de empréstimos e financiamentos.

    Vale destacar que os serviços de fintechs do tipo estão disponíveis apenas para alguns grupos: empresas com faturamento acima de 5 milhões, que pagam seus fornecedores a prazos e têm sócios e/ou empresa capitalizados.

    A abertura de startups como a bankme foi regulamentada com a promulgação da Lei Complementar 167, de 2019. Ao criar as Empresas Simples de Crédito (ESCs), como as que a bankme gerencia, a norma procura resolver questões como “por que um cidadão não pode emprestar para outra pessoa de forma mais institucionalizada” e “por que um cidadão não pode cobrar taxas de juros em suas operações de crédito sem as limitações da Lei da Usura?”.

    Assim, o principal objetivo de fintechs dessa categoria é ampliar as possibilidades de crédito do país, incentivando a atividade empresarial e o empreendedorismo. Enquanto a bankme foi a primeira startup do tipo no Brasil, é de se esperar que cada vez mais empresas sigam o exemplo e ampliem o número dos chamados minibancos, particulares de cada empresa, no país.

    Fonte: Veja

    Serviços

    Profiting faz Road Show para captar 20 Milhões.

    O recurso será investido em empresas associadas visando crescimento em vendas e aumento de produção. O mercado de aquisições...

    Buscamos Empreendedores para parcerias.

    Foto: Moyses Samuel, Presidente do grupo Profiting. Estamos selecionando empresários, em âmbito nacional, que possuam negócios que precisam ser...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Últimas Notícias

    Sem aglomeração e sem carbono: esta empresa faz shows serem amigáveis ao meio ambiente

    A economia de baixo carbono deixou de ser uma intenção exclusiva das grandes empresas e invadiu o...

    Vacinação, posse de Biden, PIB da China e Copom: o que acompanhar nesta semana

    Após a preocupação voltar a bater no mercado, com o Ibovespa em queda nos últimos dias, esta...

    Veja outras matérias