sábado, julho 31, 2021
Outros

    Japão deve juntar forças com EUA e Europa para regular gigantes de tecnologia

    Em Destaque

    O Japão unirá forças com Estados Unidos e Europa para enfrentar abusos de mercado pelas quatro maiores empresas de tecnologia, disse o novo chefe de seu órgão antitruste nesta segunda-feira (19).

    Kazuyuki Furuya, presidente da Comissão de Comércio Justo do Japão, também disse que Tóquio pode abrir uma investigação sobre qualquer fusão ou acordo de negócios. A aquisição da empresa de acessórios para atividades físicas Fitbit pelo Google é um exemplo.

    “Se o tamanho de qualquer fusão ou acordo comercial for grande, podemos lançar uma investigação antimonopólio sobre o processo do comprador de comprar uma startup (como a Fitbit)”, disse Furuya à agência Reuters. “Estamos acompanhando de perto os desenvolvimentos, inclusive na Europa.”

    Os reguladores antitruste da União Europeia lançaram em agosto uma investigação sobre a oferta de US$ 2,1 bilhões feita pela Alphabet, empresa que controle o Google, para comprar a Fitbit.

    O Japão está preparando as bases para regulamentar as empresas que controlam plataformas de internet. Entre eles estão as gigantes da tecnologia Google, Apple, Amazon e Facebook, que enfrentam várias investigações antitruste nas nações ocidentais.

    Empresas multinacionais têm práticas de negócios semelhantes em todo o mundo, o que torna a coordenação global crucial, segundo Furuya.

    “Trabalharemos em estreita colaboração com nossos colegas americanos e europeus e responderemos a quaisquer movimentos que atrapalhem a competição”, disse ele.

    “Esta é uma área que vou avançar agressivamente”, disse ele, acrescentando que a Comissão está pronta para abrir sondagens se os operadores de plataformas digitais abusarem de suas posições dominantes no mercado contra os consumidores.

    Fonte: G1

    Serviços

    spot_img

    Últimas Notícias

    China aperta o cerco a grandes companhias. Veja o impacto para as empresas

    A perseguição das autoridades chinesas às suas empresas mais proeminentes, por meio de novas regulamentações e investigações, infiltrou-se em...

    Golpes em delivery de comida sobem 136%, e Procon-SP quer proibir pagamento no ato da entrega

    O registro de um aumento de 136% nos golpes relacionados a aplicativos de delivery de comida, de janeiro a...

    Veja outras matérias