quarta-feira, julho 15, 2020
Outros

    Mercado piora previsão para o PIB de 2020 e vê novo corte nos juros

    Em Destaque

    Eneva tem nova proposta pela AES Tietê em disputa que balança o mercado

    Uma disputa no setor elétrico está balançando o segmento de energia e sendo acompanhado de perto por...

    Fábricas deixam a Argentina e migram para o Brasil

    Ao menos três empresas do setor automotivo anunciaram, nas últimas duas semanas, o fechamento de fábricas na...

    Agora vai? Os movimentos de Guedes para encampar a reforma tributária

    Há mais de um ano o país se prepara para receber a proposta de reforma tributária do...

    Projeção de tombo da economia brasileira passou de 6,50% para 6,54%; analistas também passaram a prever nova redução da Selic, de 2,25% ao ano para 2%

    Após uma trégua na semana passada, os economistas do mercado financeiro voltaram a piorar as estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2020.

    A projeção passou de uma retração de 6,50% para 6,54%. Os analistas também passaram a prever um novo corte na taxa básica de juros, a Selic, que atualmente está em 2,25% ao ano. A nova estimativa é de que a taxa encerre 2020 em 2%.

    Os números fazem parte do boletim de mercado, conhecido como relatório “Focus”, divulgado nesta segunda-feira (29) pelo Banco Central (BC). O levantamento foi feito na semana passada e ouviu mais de 100 instituições financeiras.

    O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

    A expectativa para o nível de atividade foi medida em meio à pandemia do novo coronavírus, que tem derrubado a economia global e colocado o mundo no caminho de uma recessão.

    Em 13 de maio, o governo brasileiro estimou uma queda de 4,7% para o PIB de 2020, tendo como base a perspectiva de que as medidas de distanciamento social terminariam no fim de maio.

    O Banco Mundial prevê uma queda de 8% no PIB brasileiro e o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima um tombo de 9,1%.

    Em 2019, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB cresceu 1,1%. Foi o desempenho mais fraco em três anos. Nos três primeiros meses de 2020, foi registrada uma retração de 1,5% na economia brasileira.

    Para o próximo ano, a previsão do mercado financeiro para o crescimento do PIB permaneceu estável em 3,50%.

    Inflação abaixo de 2%

    Segundo o relatório divulgado pelo BC nesta segunda-feira, os analistas do mercado financeiro elevaram a estimativa de inflação para 2020, de 1,61% para 1,63%, .

    Se a previsão for confirmada, será o menor patamar da inflação desde o início da série histórica do IBGE, em 1995. O menor nível já registrado foi em 1998 (1,65%).

    A expectativa de inflação do mercado para este ano segue abaixo da meta central, de 4%, e também do piso do sistema de metas, que é de 2,5% neste ano.

    Pela regra vigente, o IPCA pode oscilar de 2,5% a 5,5% sem que a meta seja formalmente descumprida. Quando a meta não é cumprida, o BC tem de escrever uma carta pública explicando as razões.

    A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic).

    Para 2021, o mercado financeiro manteve em 3% sua previsão de inflação. No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,75% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2,25% a 5,25%.

    Novo corte nos juros

    O mercado também passou a prever um novo corte na taxa básica de juros da economia, a Selic, que atualmente está em 2,25% ao ano. A previsão dos analistas é de que a taxa caia para 2% até o fim de 2020.

    Para o fim de 2021, a expectativa permaneceu estável em 3% ao ano. Isso quer dizer que os analistas seguem estimando alta dos juros no ano que vem.

    Outras estimativas

    • Dólar: a projeção para a taxa de câmbio no fim de 2020 continuou em R$ 5,20. Para o fechamento de 2021, ficou estável em R$ 5 por dólar.
    • Balança comercial: para o saldo da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), a projeção em 2020 foi elevada para US$ 53 bilhões de resultado positivo. Para o ano que vem, a estimativa dos especialistas do mercado continuou em US$ 55 bilhões de superávit.
    • Investimento estrangeiro: a previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2020, foi reduzida para US$ 57,50 bilhões. Para 2021, a estimativa dos analistas também foi cortada, para US$ 72,5 bilhões.

    Fonte: G1

    Serviços

    Buscamos Sócios Empreendedores

    Estamos selecionando empreendedores, em âmbito nacional,  que possuam negócios que precisam ser profissionalizados ou re-estruturados. Os segmentos a seguir...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Pré Auditoria

    A Profiting, utiliza o serviço de Pré Diligência, como procedimento básico para qualquer negociação de venda de uma empresa cliente. Com foco...

    Últimas Notícias

    Retomada da medição da Enel aumenta conta de luz em até 100%

    A retomada da medição presencial de luz feita pela distribuidora de energia elétrica Enel São Paulo elevou...

    Padtec se prepara para captar recursos na Bolsa

    A Padtec concluiu a última etapa do processo de incorporação de suas ações pela Padtec Holding, antiga...

    Veja outras matérias