quarta-feira, fevereiro 24, 2021
Outros

    Real é maior aposta entre moedas da América Latina, mas risco preocupa, diz pesquisa

    Em Destaque

    Há 34 dias média diária de mortes por covid-19 no Brasil está acima de mil

    O consórcio de veículos de imprensa divulgou um balanço nesta terça-feira, 23, com os números da pandemia de covid-19...

    IPO do super app: Dotz quer ir à bolsa com 48 milhões de contas

    A temporada 2021 de ofertas públicas iniciais (IPOs, na sigla em inglês) continua aquecida, apesar da volta do risco...

    Nova Magalu? O que esperar da ação de Lojas Americanas com a fusão com a B2W

    Após dispararem 20% no último pregão, com o anúncio de que estuda uma combinação de negócios com a B2W,...

    O real é a maior aposta entre as moedas que terão desempenho superior nos próximos seis meses, segundo pesquisa do Bank of America para a América Latina com investidores e clientes institucionais, embora menos participantes vejam o dólar em patamares abaixo de R$ 5,10 ao fim de 2021.

    Na sondagem divulgada hoje , o real foi citado por 44% dos respondentes como a divisa que registrará a melhor performance nos próximos seis meses. O peso mexicano, com 33% dos votos, ficou em segundo lugar.

    Apenas 14% dos participantes da pesquisa esperam que moedas fortes tenham desempenho superior. Peso chileno e peso colombiano também foram citados.

    Sobre as projeções para o câmbio, a pesquisa do BofA mostrou que menos respondentes (59%, ante 69% na sondagem anterior) veem o dólar abaixo de R$ 5,10 ao fim de 2021.

    Houve menos apostas de que a cotação terminará o ano entre R$ 4,51 e R$ 4,80 e mais estimativas de que a divisa encerrará dezembro entre 5,11 reais e 5,30 reais. A maioria das respostas se concentra na faixa entre R$ 4,81 e R$ 5,10.

    A pesquisa colheu ainda previsões de que o dólar poderá fechar o ano acima de R$ 6,20, o que não ocorreu na edição de dezembro.

    A sondagem revelou que 92% dos consultados projetam alta de juros, com a Selic devendo ficar em ou abaixo de 3,5% no término do ano, 150 pontos-base acima do patamar atual (2%).

    Uma fatia de 53% dos investidores espera alguma flexibilização do teto de gastos, menos que os 66% da pesquisa anterior, mas de forma geral a crença é que as mudanças sejam modestas.

    A deterioração fiscal é o principal risco citado em relação ao Brasil, concentrando 72% das respostas, seguida por China/commodities (14%).

    A maioria dos consultados espera que o crescimento da economia brasileira fique entre 2% e 4% em 2021. O BofA projeta taxa de 3,5%.

    Fonte: Uol

    Serviços

    Últimas Notícias

    IPO do super app: Dotz quer ir à bolsa com 48 milhões de contas

    A temporada 2021 de ofertas públicas iniciais (IPOs, na sigla em inglês) continua aquecida, apesar da volta do risco...

    Nova Magalu? O que esperar da ação de Lojas Americanas com a fusão com a B2W

    Após dispararem 20% no último pregão, com o anúncio de que estuda uma combinação de negócios com a B2W,...

    Veja outras matérias