sexta-feira, maio 20, 2022
Outros

    Venda da Amil pode movimentar entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões, projeta banco americano

    Em Destaque

    Uma eventual venda da operadora de saúde Amil por parte do grupo controlador UnitedHealth Group poderia levar a uma avaliação de valor de mercado da companhia entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões, segundo estimativas do Bank of America (BofA).

    Segundo os analistas do banco americano, o valor de mercado estimado para a companhia leva em conta negócios realizados no setor envolvendo empresas de porte similar, em termos de leitos hospitalares ou de beneficiários —no caso da Amil, a operadora conta com cerca de 2,5 mil leitos e 3 milhões de clientes.

    No final da semana passada, reportagem do jornal O Estado de S. Paulo apontou que a Rede D’or e a família Bueno (controladora da Dasa) seriam os principais concorrentes no páreo para levar a Amil.

    Um cenário hipotético visto pelos analistas do banco americano como o mais provável prevê que o UnitedHealth Group pode vir a optar pela segregação dos negócios de hospital e de operadora de saúde da Amil, com uma potencial venda em separado para dois ou mais compradores.

    “Para Rede D’Or e Dasa, acreditamos que esta possibilidade faria mais sentido, à medida que elas poderiam comprar os ativos hospitalares da Amil, com um possível outro comprador, como a SulAmérica ou mesmo o Bradesco, adquirindo a carteira de beneficiários”, diz relatório do BofA assinado pelos analistas Fred Mendes, Gustavo Tiseo e Mirela Oliveira.

    Os analistas do BofA apontam ainda que a Dasa deve ser a empresa a ficar com os ativos hospitalares, pela boa relação com os executivos do UnitedHealth Group, e porque as ambições da Rede D’Or poderiam acabar esbarrando no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), dada sua presença elevada em regiões onde a Amil já atua, como o Rio de Janeiro.

    “A aquisição, se ocorrer, deve ser transformacional para a Dasa, pois ataca um dos principais problemas da companhia hoje que é a falta de liquidez das ações na Bolsa”, afirmam os analistas.

    Uma segunda opção traçada pelos especialistas do banco americano seria um único comprador arrematar a Amil, uma possibilidade vista, contudo, como menos provável.

    “Poderíamos ver uma das maiores seguradoras brasileiras comprando todos os ativos, como especulado na mídia? Acreditamos que esta opção é remota, dado o tamanho da potencial aquisição em um setor de rentabilidade limitada.”

    Em dezembro de 2021, a Amil já havia solicitado à ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) a transferência da sua carteira de planos individuais para outra empresa.

    Fonte: Folha

    Fusões e Aquisições

    spot_img

    Últimas Notícias

    ONU fala em ‘catástrofe’ após indicadores climáticos baterem recordes

    Concentrações de gases do efeito estufa, o aumento do nível do mar, o conteúdo de calor dos oceanos e...

    Uma Globo paralela? Como a Play9 está construindo “uma rede de afiliadas” de canais online

    Foi preciso muita pesquisa, reflexão e um ano e meio de sessões semanais de análise para que João Pedro...

    Veja outras matérias