quarta-feira, janeiro 19, 2022
Outros

    Grupo Pão de Açúcar desiste de bandeira Extra Hiper e faz acordo de até R$ 5,2 bi com Assaí

    Em Destaque

    O Grupo Pão de Açúcar anunciou nesta quinta-feira (14) o fim da bandeira de hipermercados Extra Hiper, abandonando um segmento do mercado que vem enfrentando dificuldades em crescer diante da concorrência com o atacarejo e impactos da pandemia sobre os consumidores.

    O fim da bandeira foi acertado em um acordo com o Assaí, grupo de atacarejo do francês Casino, que também é controlador do GPA, segundo comunicado ao mercado.

    Pelo acordo, calculado em até R$ 5,2 bilhões, o GPA vai passar para o Assaí 71 lojas Extra Hiper que serão convertidas para atacarejo. O GPA terminou o primeiro semestre com 103 lojas Extra Hiper.

    O Assaí vai pagar R$ 4 bilhões ao GPA em prestações que vencem entre dezembro deste ano e janeiro de 2024. O R$ 1,2 bilhão restante será pago ao GPA por um fundo imobiliário que tem garantia do Assaí.

    O GPA não deu detalhes sobre o fundo, mas afirmou que o fundo vai alugar 17 imóveis que antes eram da empresa ao Assaí por 20 anos renováveis por igual período.

    Há tempos o GPA tem buscado melhorar os resultados da bandeira de hipermercados Extra, que tem enfrentado forte concorrência de empresas de atacarejo que incluem, além do Assaí, o Atacadão, do grupo Carrefour Brasil.

    Enquanto isso, o Assaí tem tocado uma agressiva campanha de expansão de lojas, ingressando em novos estados do país em um momento em que a renda da população segue pressionada por desemprego e alta da inflação.

    Em julho, o presidente do GPA, Jorge Faiçal, afirmou em teleconferência com analistas que a empresa manteria a estratégia que vinha implementado nos últimos meses, de redução dos preços dos produtos do Extra Hiper. O executivo, porém, afirmou que o objetivo não era transformar a bandeira em atacarejo, formato que vinha impulsionando o grupo até a cisão do Assaí mais cedo neste ano.

    “A transação foi concebida sob um racional claro do ponto de vista de negócios e financeiro, para as duas companhias, com potencial de significativa criação de valor para os seus respectivos acionistas”, afirmou o GPA no comunicado.

    Com o negócio, o GPA reforça ainda mais o foco em segmentos “premium” e de proximidade “notadamente com as bandeiras Pão de Açúcar, Minuto e Mercado Extra, além de reforçar a posição de liderança do GPA no varejo e e-commerce alimentar no país”, disse Faiçal.

    O executivo acrescentou que a “bandeira Extra Hiper será descontinuada” e as lojas do formato que não foram envolvidas na operação serão convertidas para outras bandeiras “com maior potencial de rentabilidade”.

    Segundo o GPA, como ambas as companhias são controladas pelo Casino, a transação foi aprovada “exclusivamente com os votos dos conselheiros independentes de GPA e Assaí”.

    GPA ficará “mais leve” sem Extra Hiper e sairá da “defensiva”, diz presidente

    A desistência do GPA do formato de hipermercados e A venda das principais lojas da bandeira Extra Hiper para o Assaí dará à empresa recursos para ser mais ágil e acelerar crescimento no varejo alimentar físico e digital, disse o presidente do GPA, Jorge Faiçal, nesta sexta-feira.

    O GPA anunciou na noite da véspera acordo de 5,2 bilhões de reais com o Assaí no qual vende 71 das 103 lojas Extra Hiper e abandona a bandeira criada há 36 anos.

    “Teremos uma empresa que deixará de trabalhar na defensiva e partirá para o ataque, trabalhando suas fortalezas”, disse Faiçal em teleconferência com analistas, referindo-se à bandeira Pão de Açúcar.

    Segundo ele, com o acordo com o Assaí, o GPA vai abrir 100 lojas Pão de Açúcar nos próximos três anos no país e 100 lojas do formato de proximidade Minuto Pão de Açúcar.

    Faiçal não fez projeções sobre a margem Ebitda do grupo após a transformação, mas afirmou que espera que a transação com o Assaí “traga margem Ebitda significativamente mais alta”.

    Durante a teleconferência, o presidente do GPA disse que a empresa também está abandonando o formato de drogarias no país.

    Fonte: Folha

    Fusões e Aquisições

    Últimas Notícias

    Os fundos imobiliários mais rentáveis de 2021. E o que eles têm em comum

    Os fundos imobiliários (FIIs) tiveram mais um ano de perdas em 2021. O iFix, índice do segmento, encerrou o...

    Vyttra fatura R$ 300 mi com exames de covid e está pronta para autotestes

    Fabricante brasileira de exames de covid vai investir R$ 60 milhões em 2022 e prepara testes rápidos para detectar...

    Veja outras matérias