sábado, julho 31, 2021
Outros

    Adidas avalia possível venda da marca Reebok

    Em Destaque

    A Adidas, gigante alemã de artigos esportivos, estuda a venda da marca Reebok, segundo uma pessoa a par do assunto.

    A empresa vai decidir nos próximos meses se dará continuidade ao processo de venda, disse a pessoa, que pediu para não ser identificada. A revisão interna está nos estágios iniciais, disse a pessoa.

    Uma porta-voz da Adidas disse que a empresa não comenta rumores de mercado.

    Desde que assumiu como CEO da Adidas em 2016, Kasper Rorsted repetidamente se esquivou de rumores de que pretendia vender a marca. O executivo fechou lojas da Reebok com baixo desempenho e não renovou alguns acordos de licenciamento, o que reduziu as vendas da marca esportiva, mas cortou ainda mais as despesas.

    Depois que a Reebok finalmente recuperou a rentabilidade no início de 2019, Rorsted mostrou esperança de que as vendas poderiam crescer com novas linhas de calçados como CrossFit Nano e FloatRide Run. Ele comparou supervisionar a Adidas e a Reebok como um pai que ama os dois filhos igualmente.

    Na pandemia, a Reebok foi mais atingida do que a marca Adidas. Enquanto as vendas da marca alemã caíram 33% no segundo trimestre, a receita da Reebok encolheu 42%, disse a empresa.

    A Manager Magazin informou anteriormente sobre o plano na quinta-feira e disse que interessados incluem a VF Corp., dona das marcas Timberland e North Face, bem como a chinesa Anta International Group.

    Embora a expectativa de Rorsted fosse levantar cerca de 2 bilhões de euros (US$ 2,4 bilhões) com a venda da Reebok antes da pandemia, o CEO agora se contentaria com menos do que essa quantia, disse a revista.

    A empresa alemã adquiriu a Reebok por US$ 3,8 bilhões em 2006.

    Fonte: Exame

    Serviços

    spot_img

    Últimas Notícias

    China aperta o cerco a grandes companhias. Veja o impacto para as empresas

    A perseguição das autoridades chinesas às suas empresas mais proeminentes, por meio de novas regulamentações e investigações, infiltrou-se em...

    Golpes em delivery de comida sobem 136%, e Procon-SP quer proibir pagamento no ato da entrega

    O registro de um aumento de 136% nos golpes relacionados a aplicativos de delivery de comida, de janeiro a...

    Veja outras matérias