sexta-feira, julho 10, 2020
Outros

    CNN Brasil vai às compras e negocia com grandes emissoras e canais abertos

    Em Destaque

    Após secretário, Trump também diz que estuda banir TikTok dos EUA

    Um dia após fala de Mike Pompeo, presidente americano confirmou que o país "está analisando" banir o...

    Loft compra a Uotel e entra no mercado de locação de imóveis

    A startup, fundada em 2018 e que vale mais de US$ 1 bilhão, comprou a empresa, uma...

    Europa faz acordo com farmacêuticas para garantir remédios contra vírus

    Acordos abrangem o medicamento para artrite da Roche, RoActemra, e o remédio para esclerose múltipla da Merck,...

    Douglas Tavolaro, CEO da CNN Brasil, no lançamento do canal em março: ofensiva para expandir na TV aberta

    Em uma estratégia para ampliar sua audiência e receitas, a CNN Brasil iniciou nesta semana uma ofensiva no mercado de televisão. Começou a negociar a “fusão” com redes nacionais de TV e a compra ou arrendamento de canais abertos regionais, os antigos UHF. Os maiores alvos são o SBT, a RedeTV! e a Gazeta.

    As negociações, segundo informações obtidas com exclusividade pelo Notícias da TV e checadas com uma das partes envolvidas no acordo, passam neste momento por análises de viabilidade.

    A CNN brasileira, que completou cem dias no ar nesta semana, está trabalhando com três modelos diferentes: a aquisição completa ou parcial de uma emissora pequena, o arrendamento de um canal e até mesmo a fusão com uma das redes.

    No modelo de fusão com uma rede aberta, a CNN Brasil assumiria todo o jornalismo da emissora em diferentes faixas horárias, mas sem transformá-la em um canal de notícias 24 horas. Nesse caso, a CNN manteria seu atual canal na TV paga e faria uma expansão de suas operações na TV aberta.

    Nas demais propostas em análise, com a compra ou arrendamento, a CNN Brasil deixaria de atuar apenas na TV fechada e se tornaria o primeiro canal aberto com 24 horas de notícias por dia no Brasil.

    A estratégia encampada por Douglas Tavolaro, CEO da CNN Brasil, tem o apoio da CNN americana, que nesta semana emitiu nota em que considera a franquia brasileira um caso de sucesso com apenas cem dias no ar.

    A CNN Brasil estreou em março já como segundo canal de notícias mais visto da TV por assinatura, mas na média das 24 horas ainda fica bem atrás da GloboNews. 

    Parcerias como as propostas pela CNN são raras, mas não inéditas. Em 1997, por exemplo, o SBT “terceirizou” seu Jornalismo para o canal CBS Telenotícias, que passou a produzir seu principal telejornal e ocupar a madrugada com noticiários. Mas a estratégia da CBS Telenotícias na época era conseguir distribuição nas maiores operadoras de TV paga, o que a CNN Brasil já tem.

    Fonte: brazil.w24news.com

    Serviços

    Buscamos Sócios Empreendedores

    Estamos selecionando empreendedores, em âmbito nacional,  que possuam negócios que precisam ser profissionalizados ou re-estruturados. Os segmentos a seguir...

    Recuperação de tributos próprios

    Sua empresa pode melhorar o fluxo de caixa se houver créditos tributários nos últimos 5 anos.

    Há sempre possibilidades de melhorias

    "O Brasil possui excelentes profissionais de consultoria. Nesta crise é necessário muita dedicação na busca de soluções para os problemas. Em situações...

    Quanto a minha empresa perdeu de valor na Pandemia?

    Algumas empresas aumentaram seu valor na pandemia. Outras, perderam. É importante saber qual o ganho ou qual a perda nesse momento? A...

    Pré Auditoria

    A Profiting, utiliza o serviço de Pré Diligência, como procedimento básico para qualquer negociação de venda de uma empresa cliente. Com foco...

    Últimas Notícias

    Câmara aprova MP que permite reembolso de passagem aérea em até um ano

    A Câmara dos Deputados aprovou, em sessão virtual nesta terça-feira, 7, o texto-base da Medida Provisória 925/20,...

    Mastercard e Visa criam arranjo para permitir transferência via WhatsApp

    Bandeira de cartão de crédito submeteu o novo modelo de arranjo ao Banco Central

    Veja outras matérias