quinta-feira, maio 6, 2021
Outros

    Quem vai ficar com a Braskem?

    Em Destaque

    Banco Central eleva Selic em 0,75 p.p., para 3,5% ao ano, e sinaliza mais uma alta na mesma magnitude

    O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu nesta quarta-feira (5) elevar a Selic em 0,75 ponto percentual, para 3,50%...

    “Há muitos Mercados Livres para nascer na AL”, diz Nicolas Szekasy, do Kaszek

    Quando os argentinos Nicolas Szekasy e Hernan Kazah deixaram o Mercado Livre, empresa que tinham cofundado, para criar a...

    Bradesco espera perder receita com Pix e WhatsApp Pay, mas tem substituto

    A chegada da ferramenta de transferências de dinheiro via WhatsApp , assim como o Pix , vai 'morder' um pedaço da...

    Executivos e empresários do setor petroquímico acreditam que, pelo tamanho da Braskem e aparente ausência de multinacionais interessadas em comprar o ativo, a melhor forma da Odebrecht monetizar sua participação na companhia seria a formação de um grande consórcio envolvendo empresas internacionais, nacionais e investidores financeiros.

    Organizando direitinho, todo mundo levaria a parte que quer.

    No desenho que está sendo falado nos bastidores do setor, o Mubadala poderia ficar com os ativos da Braskem no Nordeste — já que o fundo soberano acaba de comprar a refinaria da Petrobras na região.

    Em São Paulo, a Unipar e a multinacional belga Solvay poderiam se interessar pelo antigo polo petroquímico de Capuava, onde ambas teriam sinergias.

    No Rio Grande do Sul, a Ultrapar poderia ficar com o Polo Petroquímico, a base de nafta mais moderna do País, que se encaixaria com seu interesse na refinaria Alberto Pasqualini, em processo de venda pela Petrobras.

    O Polo do Rio, que fica quase dentro da Reduc, a refinaria da Petrobras, ficaria com a própria estatal. Por um lado, a Petrobras estaria saindo da Braskem, mas a lógica industrial recomendaria que ela ficasse com as 500 mil toneladas de polietileno à base de gás que o Polo do Rio produz.

    Já os ativos internacionais ficariam nas mãos de players europeus e americanos. A Borealis ficaria com as duas plantas de polipropileno da Europa, e a LyondellBasell, que no passado já tentou comprar a Braskem inteira, poderia ficar com o México.

    Finalmente, os ativos nos EUA, onde a Braskem é o maior produtor de polipropileno do país, poderiam ir para fundos de private equity como Apollo e Advent, que já manifestaram interesse.

    Agora, só falta um banco de investimentos para montar o consórcio. Está longe de ser trivial, mas poderia ser o M&A do ano.

    O Morgan Stanley representa a Odebrecht, agora renomeada Novonor.

    Fonte: Brazil Journal

    Serviços

    Últimas Notícias

    Xiaomi traz ao Brasil seu 30º smartphone em dois anos

    A chinesa Xiaomi traz ao Brasil a partir de hoje dois novos smartphones chamados Redmi Note 10 Pro e...

    Marcas europeias ameaçam boicotar produtos do Brasil devido a política ambiental

    O Projeto de Lei (PL) 510/21, que altera regras de regularização fundiária em terras da União e do Incra...

    Veja outras matérias